Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Internações por ansiedade mais que dobram em quatro anos, diz estudo

    Percentual de beneficiários de plano de saúde com depressão passou de 11,1% para 13,5%, de 2020 a 2023, segundo levantamento do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS)

    Guilherme Gamada CNN*

    São Paulo

    Casos de depressão cresceram na saúde suplementar entre 2020 e 2023, de acordo com o estudo do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), divulgado com exclusividade à CNN. O percentual de beneficiários com a doença passou de 11,1% para 13,5%, no período. Em novembro do ano passado, havia 50,9 milhões de beneficiários no Brasil.

    A pesquisa mostra que a maior prevalência da depressão ocorre entre as mulheres. O resultado da análise indica que houve aumento de casos entre 2020 e 2023, de 15,3% para 18,5%, respectivamente. Assim, uma a cada cinco beneficiárias de planos de saúde apresentam a doença.

    Durante o período, houve maior volume de casos entre os jovens de 18 a 39 anos. O número subiu de 9,8% para 13% dos beneficiários nessa faixa etária, com crescimento de 3,2 pontos percentuais.

    Para José Cechin, superintendente executivo do IESS, os dados são preocupantes e acendem um sinal de alerta. “Os dados mostram que a pandemia da Covid-19 foi um dos agravantes para o aumento de casos de doenças relacionadas. Isso também resulta em mais custos para o setor, que apenas com procedimentos de psicoterapia, teve seu gasto elevado, de R$ 181 milhões para R$ 269 milhões, entre 2018 e 2022”, afirma.

    O estudo Intitulado “Janeiro Branco na Saúde Suplementar – Panorama da saúde mental entre beneficiários de planos de saúde”, foi baseado em dados de três pesquisas realizadas pelo Inquérito Telefônico para Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas (Vigitel).

    Aumento de internações por ansiedade

    O levantamento mostrou que a quantidade de eventos registrados por ano tiveram como causa o CID F411, relacionado à ansiedade generalizada que cresceu nos últimos anos. De 2018 para 2022 o número de eventos mais que dobrou — de 794 para 2100 eventos.

    “Com esse aumento grande de eventos de internações relacionadas a casos graves de ansiedade que precisam de atendimento médico, vemos que o número revela grande incidência e aumento dessa incidência entre os brasileiros. Isso precisa ser olhado com bastante cuidado”, afirma Cechin.

    Crescimento em número de consultas

    Outro estudo do instituto, com dados do Mapa Assistencial da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), mostrou que, entre 2019 e 2022, houve crescimento representativo (60,8%) no número de consultas e sessões com psicólogos no Brasil. No primeiro ano, foram 21,7 milhões e saltou para 34,9 milhões três anos depois.

    *(sob supervisão de Felipe Andrade)