Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Justiça do PA bloqueia bens de empresários que venderam respiradores com defeito

    Justiça determinou o bloqueio de R$ 25,2 milhões da empresa, bem como de seus sócios listados. Segundo o governo do Pará, 152 respiradores estavam com defeito

    Profissionais de saúde em hospital de campanha em Santarém, no Pará
    Profissionais de saúde em hospital de campanha em Santarém, no Pará Foto: Secom-PA/Divulgação (22.abr.2020)

    Da CNN, em Brasília e Rio de Janeiro

    Ouvir notícia

    O Tribunal de Justiça do Pará (TJ-PA) bloqueou neste domingo (10) os bens e reteve os passaportes dos sócios de uma empresa que, segundo o governo paraense, vendeu 152 respiradores defeituosos ao estado. Na decisão, a juíza Rosa Lúcia de Canelas Bastos determinou o bloqueio no valor de R$ 25,2 milhões da empresa, bem como de seus sócios listados. Cabe recurso à decisão.

    “Acabamos de conseguir uma decisão judicial bloqueando os bens dos sócios que venderam os respiradores para o nosso estado. Além do bloqueio dos bens, também a retenção dos passaportes para que eles não possam sair do Brasil”, disse o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), no Twitter. “Ou entregam os respiradores, como compramos, funcionando com qualidade para salvar vida das pessoas, ou terão que ressarcir o estado do prejuízo causado”.

    Na sexta-feira (8), o governo do Pará afirmou, em nota oficial, que havia falhas nos 152 respiradores comprados da empresa SKN do Brasil. Os aparelhos chegaram a Belém na segunda-feira (4). Esta é a primeira leva do total de 400 respiradores comprados pelo governo estadual por mais de R$ 50 milhões.

    A juíza do TJ-PA justificou sua decisão afirmando que o acervo documental apresentado “indica que a empresa ré entregou aparelhos respiradores distintos daqueles objetos da contratação efetivada pelo Estado do Pará, e que são inservíveis à finalidade para o qual foram objeto de aquisição”.

    A CNN tentou contato com a SKN por telefone e e-mail neste domingo (10), mas não teve resposta.

    Mais Recentes da CNN