Justiça do Rio anula delação de ex-presidente da Fecomercio e extingue ação contra advogados

Decisão beneficia cerca de 20 pessoas, entre eles os advogados Cristiano Zanin, do ex-presidente Lula, e Frederick Wassef, do presidente Jair Bolsonaro; em decisão, magistrado disse que não há provas de crimes praticados e que houve “nítido inteiro de criminalizar o exercício da advocacia”

Fachada do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
Fachada do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro Divulgação

Maria Mazzeida CNN

do Rio de Janeiro

Ouvir notícia

O juiz Marcello Rubioli, da 1ª Vara Criminal Especializada do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, anulou a delação premiada do ex-presidente da Fecomercio-RJ Orlando Diniz e extinguir a ação penal contra grandes escritórios de advocacia do País.

Em decisão, nesta segunda-feira (5), o magistrado disse que não há provas de crimes praticados contra os advogados e afirmou que houve “nítido inteiro de criminalizar o exercício da advocacia”.

Ao anular a delação de Diniz, Rubioli utilizou a decisão de 2017, do Supremo Tribunal Federal (STF), de que a descoberta de ilegalidades depois da homologação de um acordo pode levar à sua rescisão. Para o magistrado, na delação de Diniz “houve indução do colaborador por parte da extinta força-tarefa do Ministério Público Federal para a operação Lava Jato”.

O juiz entendeu que os procuradores não conseguiram provar a versão de que os escritórios de advocacia foram usados para fazer lobby e influenciar decisões em tribunais superiores em troca de propina.

Ele afirmou ainda que os serviços advocatícios não foram prestados pelos advogados, como relatou o delator: ” “Urge reconhecer a ausência de justa causa à persecução dos fatos narrados”, escreveu em sua decisão.

“De tudo o que dos autos consta, não se apurou mais que a narrativa de uma associação de advogados que tutelavam as estratégias jurídicas de pretensão do então Presidente do Sesc/Senac-RJ”, sustentou o magistrado.

A decisão beneficia cerca de 20 pessoas, entre eles as advogados Cristiano Zanin, do ex-presidente Lula; Frederick Wassef, advogado do presidente Jair Bolsonaro; e Ana Tereza Basílio, que defendia o ex-governador do Rio Wilson Witzel.

Em nota, o advogado Cristiano Zanin, um dos alvos da investigação na época, disse que a decisão da Justiça do Rio “resgata definitivamente a dignidade da advocacia ao colocar fim à perseguição praticada pela “lava jato” contra mim e contra diversos colegas advogados que prestaram serviços jurídicos à Fecomercio-RJ durante o intenso litígio que a entidade privada manteve com a congênere CNC. É mais um relevante ato para resgatar a credibilidade da Justiça após diversos atentados cometidos por ímprobos e delirantes agentes públicos que agiam sob a alcunha de “lava jato”.

A Operação E$quema S, desencadeada em setembro de 2020, foi caso foi um dos últimos desdobramentos investigados pelos procuradores da Lava Jato fluminense, antes do fim da força-tarefa. A denúncia à Justiça e sustentada pelos, então, procuradores da Lava-Jato do Rio alega um suposto esquema que teria desviado pelo menos R$ 151 milhões do Sistema S fluminense (Sesc-RJ, Senac-RJ e Fecomércio-RJ), entre 2012 e 2018, através de contratos fictícios com escritórios de advocacia.

A delação do ex-presidente da Fecomercio-RJ foi homologada pelo juiz da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, Marcelo Bretas. O STF anulou todas as ações da Operação E$quema S em agosto de 2021 e determinou remessa dos processos à Justiça do Rio, que na decisão desta segunda-feira, anulou todo o acordo.

A CNN entrou em contato com a assessoria de imprensa do Ministério Público Federal (MPF), e questionou a instituição sobre a avaliação da Justiça do Rio de que os procuradores não conseguiram provar o que alegaram na denúncia.

Confira a nota do MPF na íntegra:

“A respeito das notícias veiculadas sobre decisão proferida pela justiça estadual no âmbito da operação Esquema $, o MPF apresenta os seguintes esclarecimentos.

No ponto em que sugere ter havido indução de depoimento, a decisão da Justiça Estadual não aponta onde teria ocorrido essa suposta irregularidade nos mais de 30 depoimentos do colaborador. Ademais, a conclusão foi lançada sem ouvir o colaborador e sua defesa técnica, apenas com base em notícias ventiladas na mídia.

O MPF reafirma que não houve qualquer indução. Pelo contrário, todos os depoimentos do colaborador foram gravados em áudio e vídeo e devidamente acompanhados por suas advogadas, demonstrando cabalmente a espontaneidade dos depoimentos e do que nele foi dito.

No ponto referente à suposta exploração de prestígio de ministros de cortes superiores, a decisão avança em matéria que não é de sua competência por afetar interesses da União, nos termos do artigo 109 da Constituição Federal, já que servidores públicos federais teriam sido vítimas do crime.

No mais, a denúncia foi acompanhada por um rol de mais de 100 provas, inclusive auditoria do TCU e depoimentos de ex-dirigentes do Sesc e Senac, o que demonstra que a narrativa dada pelo colaborador não é fantasiosa.

Vários anexos da mesma colaboração continuam sendo utilizados no âmbito da Justiça Federal, inclusive por determinação do STF, razão pela qual a Justiça Estadual não tem competência para apreciar a validade do acordo, cabendo-lhe apenas apreciar os fatos que lhe foram declinados.”

Mais Recentes da CNN