Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Justiça do Rio mantém prisão de acusados da morte de Marielle Franco

    Defesa dos réus alegava excesso de prazo para marcar julgamento

    Douglas Corrêada Agência Brasil

    A 4ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) negou recurso da defesa e manteve as prisões preventivas do sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa e do ex-policial militar Élcio Queiroz, acusados da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

    O caso aconteceu em 14 de março de 2018, no bairro do Estácio, na região central da cidade.

    No carro também estava uma assessora de Marielle, que saiu ilesa, sem ser atingida por qualquer disparo. A vereadora foi atingida por quatro tiros na cabeça e o motorista, por três. A arma usada no crime foi uma submetralhadora HK MP5 de fabricação alemã.

    O juiz Gustavo Gomes Kalil acolheu o pedido do Ministério Público estadual, que se manifestou contra o pedido dos advogados de defesa de Ronnie Lessa e Élcio Queiroz, que alegavam excesso de prazo para marcar o julgamento. No entanto, o juiz entendeu que a demora se devia “aos sucessivos recursos contra a sentença de pronúncia”.

    Em 20 de novembro do ano passado, o magistrado já tinha negado um pedido da defesa dos réus pelo mesmo argumento, dizendo que os sucessivos recursos de defesa eram a causa da demora na conclusão do processo.