Justiça mantém prisão de investigados em esquema ilegal na prefeitura do RJ

Ministério Público aponta que o grupo liderado por Crivella, cobrava propina de empresários em troca de favores em negociações

Lucas Janone, da CNN, no Rio de Janeiro

Ouvir notícia


 
 

Após audiência de custódia realizada nesta quarta-feira (23), a justiça manteve a prisão preventiva do empresário Adenor Gonçalves e do delegado Fernando Moraes, acusados pelo Ministério Público (MP) de integrarem o esquema ilegal na prefeitura do Rio de Janeiro.

A denúncia aponta que o grupo liderado pelo prefeito da cidade, Marcelo Crivella, cobrava propina de empresários em troca de favorecimento em negociações com o município. Até o momento, seis mandados de prisão já foram cumpridos.

Leia e assista também:

Soltura de Crivella é atrasada por falta de decisão e de tornozeleira eletrônica
Justiça do Rio bloqueia R$ 53,7 milhões em bens de grupo ligado a Crivella
Desembargadora mantém prisão de Marcelo Crivella no Rio de Janeiro

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, conduzido na Cidade da Polícia após prisão
O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, conduzido na Cidade da Polícia após ser preso
Foto: André Melo Andrade/Immagini/Estadão Conteúdo (22.dez.2020)

Adenor Gonçalves e Fernando Moraes, entretanto, apresentaram sintomas de Covid-19 e estão internados em um hospital da cidade. A audiência de custódia, que aconteceu de forma online, reafirmou que ambos devem ingressar no sistema prisional após a total recuperação da doença. Ou seja, em 15 dias. 

Segundo o MP, ambos eram responsáveis pela cobrança de propina dos empresários que participavam do esquema. A denúncia aponta que Moraes empregava o uso da força, com agressões e coronhadas, além de fazer ameaças com arma de fogo nas abordagens.   

Já Adenor está envolvido no escândalo da empresa Assim Saúde. De acordo com a denúncia, a empresa fazia pagamentos mensais, que variavam de R$ 1,5 milhão a R$ 2 milhões, sob assinatura de contratos fictícios e emissão e notas “frias”.  

A quantia total da propina paga pela empresa ao grupo criminoso foi de mais de R$ 50 milhões. Adenor é acusado de ter solicitado para a Assim Saúde os documentos que justificariam os desembolsos.

Mais Recentes da CNN