Liga das Escolas de Samba do Rio nega redução de público no desfile

Protocolo do Carnaval de SP não será adotado na Sapucaí, garante presidente da Liesa

Leandro Resendeda CNN

Ouvir notícia

O presidente da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro, Jorge Perlingeiro, afirmou à CNN que os desfiles na Marquês de Sapucaí não seguirão os mesmos protocolos sanitários estabelecidos para a folia em São Paulo. Os desfiles paulistas serão realizados com 70% da capacidade do Sambódromo do Anhembi e com obrigatoriedade para o uso de máscaras para quem for desfilar.

“Não há como fazer desfile sem 100% do público no Rio. Os ingressos já foram vendidos e com 70%, a festa, que é muito cara, não vai se pagar nunca”, afirmou Perlingeiro.

Segundo ele, seria uma “heresia” obrigar os componentes das escolas de samba desfilar de máscara. “Como você vai julgar a Harmonia (quesito que avalia o entrosamento ou não dos desfilantes com o ritmo e o canto do samba de enredo) das escolas?”, declarou.

O presidente da Liesa destacou que várias outras aglomerações estão sendo registradas neste momento no país, com shows e praias lotadas em virtude da onda de calor. O Rio de Janeiro vive uma explosão de casos provocados pela variante ômicron da covid-19: em 1 mês a cidade saiu de 23 internados (em 18 /12) para 723 nesta terça-feira (18).

“Só pisa na Sapucaí quem estiver vacinado, seja para trabalhar, assistir ou desfilar”, afirmou o presidente da Liesa.

Na próxima segunda-feira (24) o comitê científico da prefeitura do Rio se reúne mais uma vez para tratar da possibilidade de cancelamento do Carnaval das Escolas de Samba no Rio de Janeiro.

Mais Recentes da CNN