Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Marinha comemora 15 anos do Programa de Desenvolvimento de Submarinos

    No começo de outubro, a Marinha deu a largada para construção do primeiro submarino nuclear do Brasil, dentro do programa

    O submarino Humaitá é o segundo lançado ao mar pelo Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub)
    O submarino Humaitá é o segundo lançado ao mar pelo Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) Foto: Wilton Junior - 11.dez.2020/Estadão Conteúdo

    Elijonas Maiada CNN

    Brasília

    A Marinha do Brasil comemora esta semana 15 anos do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) e prevê mais investimentos na tecnologia e na indústria naval brasileira.

    O objetivo, segundo fontes do Comando da Marinha, é consolidar o Prosub como um dos principais programas estratégicos de defesa do Brasil.

    O programa é uma parceria estabelecida entre o Brasil e a França, e contempla a construção de uma infraestrutura industrial e de apoio à operação e manutenção de submarinos, a construção e operação de quatro submarinos convencionais da classe “Riachuelo”, e o projeto e construção do primeiro submarino convencionalmente armado com propulsão nuclear (SCPN), objeto principal de todo o programa e que deve ser o primeiro submarino nuclear do Brasil.

    Atualmente, apenas seis países possuem submarinos nucleares: Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França, China e Índia.

    No Brasil, pelas dimensões continentais de 8,5 mil quilômetros de costa, a Marinha do Brasil está com o objetivo de investir na modernização e aprimoramento de capacidades da Força Naval, com esforços no desenvolvimento de tecnologias de defesa.

    O Prosub, segundo dados da Marinha, gera impacto econômico, com destaque para a geração de empregos, a capacitação de técnicos e engenheiros e qualificação profissional. “Estima-se que todo o programa possibilita a geração de aproximadamente 60 mil empregos diretos e indiretos, além do intercâmbio com mais de 18 universidades, instituições de pesquisa e 400 empresas”, informou a Marinha.