Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    McLaren de R$ 3,8 milhões fica destruída após bater em Renault Sandero em Maceió

    Acidente na última sexta (11) deixou uma pessoa ferida e chamou a atenção da população na capital alagoana

    McLaren de R$ 3,8 milhões destruída após acidente em Maceió
    McLaren de R$ 3,8 milhões destruída após acidente em Maceió Reprodução/Twitter @whatwouldlbdo

    José Maria Tomazela, do Estadão Conteúdo

    Um automóvel McLaren Artura avaliado em R$ 3,8 milhões ficou destruído após colidir com um modelo Sandero, da Renault, na noite de sexta-feira, 11, em Maceió, capital de Alagoas.

    O acidente, que deixou uma pessoa ferida, chamou a atenção e causou congestionamento. As causas ainda serão apuradas. As imagens viralizaram em redes sociais.

    O acidente aconteceu na avenida Álvaro Otacílio, na orla da Ponta Verde, região turística da capital. O carro popular realizava transporte de aplicativo. Com a colisão, o passageiro ficou ferido e foi atendido pelo Corpo de Bombeiros Militar de Alagoas.

    “Pela unidade de resgate, foi atendida uma vítima do sexo masculino, de 46 anos, com corte na cabeça e dor no pescoço. Ele foi atendido e levado para o hospital”, informou a corporação.

    Segundo os bombeiros, na McLaren estavam duas pessoas, o motorista e uma mulher, que não apresentavam ferimentos. A identidade delas não foi divulgada.

    Por envolver um carro de luxo, o acidente acabou atraindo a curiosidade de dezenas de pessoas e deixou a avenida bastante congestionada. Com o impacto, a McLaren teve o pneu dianteiro arrancado. Peças do veículo ficaram espalhadas pelo local. De acordo com o Departamento Municipal de Transportes e Trânsito, uma equipe foi enviada ao local para orientar o trânsito.

    A McLaren é famosa por produzir supercarros de rua com genética de Fórmula 1.

    No Brasil, o preço de um Artura ano 2023, como o do acidente, pode chegar a R$ 3,8 milhões, sem contar o IPVA e seguro, que podem gerar uma despesa adicional de R$ 300 mil por ano. No País, a marca é muito exclusiva e acessível a poucas pessoas.