Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Operação contra garimpo destrói máquinas avaliadas em R$ 20 milhões em MT

    Ação da PF com PRF, Exército, Funai e Força Nacional durou três dias e destruiu 39 motores

    PF, PRF, Funai, Exército e Força Nacional fizeram a operação conjunta durante três dias
    PF, PRF, Funai, Exército e Força Nacional fizeram a operação conjunta durante três dias Divulgação/PF

    Elijonas Maiada CNN em Brasília

    A Operação Ouro Viciado, contra extração ilegal de ouro na Terra Indígena Sararé, em Mato Grosso, conseguiu encontrar e destruir 39 motores estacionários, 22 pás carregadeiras, duas bombas d’água, um gerador e duas britadeiras.

    De acordo com o delegado da PF Rodrigo Vitorino Aguiar, cada maquinário destruído vale R$ 1 milhão. Com isso, o total chega a R$ 20 milhões com todos os equipamentos.

    A ação durou três dias de operações integradas, com barreiras nas principais vias de acesso à Terra Indígena e incursões pelas matas e áreas atingidas pelos garimpeiros. O território fica em Pontes e Lacerda (MT).

    Dois aviões foram usados na operação, sendo um do Centro de Operações Aéreas de Mato Grosso (Ciopaer) e outro da Polícia Rodoviária Federal (PRF), além de barcos.

    A ação conjunta é da Polícia Federal com a PRF, o Exército Brasileiro, a Funai, a Força Nacional e foi finalizada neste domingo (14) à noite.

    “Cada órgão teve sua atuação. A PRF fez barreiras, o Exército bloqueou pontes à terra indígena, e no segundo dia houve incursões. A Funai fez levantamento prévio e a PF fez a investigação para levantar as fontes de ameaças armadas e localização das pás carregadeiras”, completou o delegado Aguiar.

    Segundo a PF, as investigações continuam para identificar os financiadores das atividades ilegais do garimpo e descapitalizar a organização criminosa. “Ao usurpar de ouro de origem ilegal, financia diretamente a degradação do meio ambiente, dizima a população indígena na região e polui os rios que abastecem os municípios, gerando, consequentemente, enormes danos econômicos, sociais e ambientais”, diz a PF.