Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pastor que usava nome de Paulo Guedes e fez 50 mil fiéis vítimas de golpes é preso

    Religioso estava foragido desta quarta-feira e foi encontrado em Tocantins pela Polícia Civil do estado

    Pastor Osório José Lopes Júnior foi preso nesta quinta-feira (21)
    Pastor Osório José Lopes Júnior foi preso nesta quinta-feira (21) Reprodução/YouTube/Jesus vem viver comigo - Pr Osório Lopes

    Elijonas Maiada CNN

    Brasília

    O pastor Osório José Lopes Júnior foi preso em Gurupi, Tocantins, no começo da noite desta quinta-feira (21).

    O religioso, que estava foragido após operação da Polícia Civil do Distrito Federal, deve ser transferido para Brasília na segunda-feira (24), de acordo com investigadores.

    VÍDEO – Pastores usam nome de Paulo Guedes para aplicar golpes

    Durante a operação Falso Profeta, na quarta-feira (20), Osório Junior tinha mandado de prisão para ser cumprido contra ele, mas a polícia não o encontrou e ele passou a ser considerado foragido.

    Ele foi alvo por ser apontado como líder de um esquema de golpes financeiros liderado por pastores que enganou mais de 50 mil vítimas no Brasil e no exterior.

    A operação

    Onze pastores foram alvos da Polícia Civil do Distrito Federal nas primeiras horas da manhã de quarta-feira (20). O grupo é investigado por usar o nome do ex-ministro da Economia Paulo Guedes para aplicar golpes milionários em fiéis das igrejas, bem como em lives na internet.

    A polícia aponta o pastor goiano Osório José Lopes Júnior como líder do grupo.

    Ele é acusado de aplicar um golpe milionário em fiéis com a venda de títulos que, segundo ele, são lastreados em ouro e apresentados por ele como Letra do Tesouro Mundial.

    A CNN apurou que ele é alvo de busca e apreensão em São Paulo. Mas não foi encontrado para ser preso.

    A investigação apontou, durante os golpes, que os suspeitos disseminavam fakenews para ludibriar as vítimas.

    O inquérito identificou a participação de 200 pessoas na organização criminosa. Os 11 “cabeças” foram os alvos na segunda fase da operação.

    O esquema

    O pastor evangélico goiano Osório José Lopes Júnior, que é deficiente visual, afirma que os títulos oferecidos já contariam com autorização do governo federal, por meio do ex-ministro da Economia, Paulo Guedes, para serem pagos.

    Além no nome do ministério, Osório usa também logomarca de entidades financeiras, como Banco Mundial e o Banco do Brasil, em uma plataforma de investimento conduzida pelo grupo, para dar credibilidade ao negócio.

    O golpe aplicado pelo pastor já dura pelo menos nove anos. Segundo a polícia, ele viaja pelo país com a ajuda de outras pessoas para captar novos investidores interessados em receber até 100 vezes o valor aportado assim que os títulos estiverem prontos para serem resgatados.

    A CNN não localizou a defesa do pastor.