PF faz operação no Rio de Janeiro contra crimes em antiga diretoria da Petrobras

Agentes cumprem 3 mandados de busca e apreensão na Operação Sem Limites VI, investigação sobre corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa

PF faz operação no RJ contra crimes na antiga Diretoria de Abastecimento da Petrobras
PF faz operação no RJ contra crimes na antiga Diretoria de Abastecimento da Petrobras Foto: Isabelle Saleme/CNN Brasil

Isabelle Saleme e Thayana Araújo, da CNN, no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Ao menos 12 agentes da Polícia Federal (PF) foram às ruas no Rio de Janeiro nesta sexta-feira (18) para cumprir três mandados de busca e apreensão. A Operação Sem Limites VI tem o objetivo de aprofundar as investigações sobre crimes cometidos na antiga Diretoria de Abastecimento da Petrobras. De acordo com as investigações, as práticas ilícitas seriam na Gerência Executiva de Marketing e Comercialização.

Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pela 13.ª Vara da Justiça Federal, em Curitiba, no Paraná, que também determinou ordens para bloqueio de valores até o limite dos prejuízos identificados até o momento. O objetivo é apurar os crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa por novos suspeitos.

As investigações que culminaram na ação desta sexta começaram depois da Operação Sem Limites. Na ocasião, foram cumpridos mandados de prisão e de busca e apreensão contra e integrantes de uma organização criminosa que negociava óleos combustíveis e derivados entre a estatal e trading companies estrangeiras.

Com o aprofundamento das investigações, a PF e o Ministério Público Federal (MPF) já identificaram a participação nos crimes de um estrangeiro, representante de interesses de trading companies internacionais junto à estatal brasileira.

Um brasileiro também está sendo investigado. Segundo os policiais, ele é ligado a um ex-gerente da Petrobras responsável por receber recursos de corrupção no exterior, com uso de contas em nome de uma offshore, e depois fazer a distribuição aos envolvidos  no esquema criminoso.

Outros dois brasileiros estariam envolvidos, ainda, com outro ex-funcionário da área comercial da Petrobras com o qual obtinham informações privilegiadas sobre negociações da estatal e tratavam de operações comerciais em que poderiam obter vantagens indevidas.

A PF segue nas investigações para identificar e responsabilizar os suspeitos de atentarem contra a estatal que foi vítima de articulações criminosas.

Procurada pela CNN, a Petrobras afirmou que “é vítima dos crimes desvendados pela Operação Lava-Jato, sendo reconhecida como tal pelo Ministério Público Federal e pelo Supremo Tribunal Federal (STF)”.

“A companhia colabora com as investigações desde 2014 e atua como coautora do Ministério Público Federal e da União em 21 ações de improbidade administrativa em andamento, além de ser assistente de acusação em 76 ações penais relacionadas a atos ilícitos investigados pela Operação Lava Jato”, disse a Petrobras, em nota.

“Cabe salientar que a Petrobras já recebeu mais de R$ 5,7 bilhões, a título de ressarcimento, incluindo valores que foram repatriados da Suíça por autoridades públicas brasileiras.”

Mais Recentes da CNN