Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Falta de dados reflete invisibilidade da população em situação de rua no Brasil

    Da CNN, São Paulo

    “Eu até me emociono quando me fazem essa pergunta, porque dói muito ver a pessoa em situação de rua. Pra mim, dói muito.” Poucas pessoas que não experimentaram o que é dormir sem um teto sobre a cabeça poderiam dar uma resposta como essa. O músico Wellington Antônio Vanderlei sabe bem o que é isso e, entre suas idas e vindas na rua desde a adolescência, é certeiro quando responde qual o sentimento relegado à população que vive sem ter onde morar. “Ah, o sentimento é que você é invisível mesmo, né?”

    Invisível aos olhos da sociedade, e muitas vezes também do poder público. As discussões a respeito do adiamento do Censo populacional que seria realizado neste ano lançaram luz sobre a importância de pesquisas para a formulação de políticas públicas. Políticas essas que reduzem os níveis de desigualdade, combatem a fome, o desemprego, o abandono escolar e tantos outros gargalos sociais. O problema é que quem vive na rua não entra nas estatísticas do Censo.

    A única vez em que foi realizado um levantamento nacional exclusivamente sobre a população em situação de rua foi em 2008, quando foram registradas informações extremamente relevantes e até inesperadas, como o fato de que 70% dessa população tinha algum tipo de trabalho. Outros dados, nem tão inesperados assim: 67% dessas pessoas eram negras, retrato do racismo e desigualdade no nosso país.

    Mas esse retrato nunca mais voltou a se repetir. O que o país tem de mais recente sobre a população em situação de rua é uma estimativa produzida por Marcos Natalino, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que projetou 222 mil pessoas vivendo nas ruas do Brasil até março do ano passado. O cenário, é claro, agravou-se durante a pandemia.

    “Agora, na pandemia, eles são visíveis à medida que, quando fecha a cidade, menos pessoas circulam pelas ruas. Os únicos que circulam nas ruas são eles. Então, é um jogo. Ora eles são visíveis, ora eles são invisíveis. Quando incomodam, são visíveis. Quando não incomodam, a ordem estabelecida, são invisíveis”, opina o padre Júlio Lancellotti, que há anos é uma referência no apoio a quem vive nas ruas.

    Neste episódio do Entre Vozes, o último da temporada, Luciana Barreto conta como a pandemia agravou as dificuldades que já eram imensas para quem não tem uma casa. Além de Júlio Lancellotti e de Wellington Vanderlei, o criador da ONG SP Invisível André Soler também comenta a realidade da população em situação de rua e o vazio de dados e políticas públicas para combater o problema.

    Conheça os podcasts da CNN Brasil:

    CNN Mundo

    Entre Vozes

    5 Fatos

    E Tem Mais

    Abertura de Mercado

    Horário de Brasília

    Na Palma da Mari

    O Que Eu Faço?

    Todo o conteúdo da grade digital da CNN Brasil é gratuito.

    Podcast Entre Vozes, com Luciana Barreto
    Podcast Entre Vozes, com Luciana Barreto
    Foto: Arte CNN Brasil