Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Polícia resgata 2 homens mantidos em situação análoga à escravidão em Guarulhos

    Trabalhadores não podiam sair do local da empresa, que estava em situação degradante; dono não foi localizado

    Equipe do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) investigava denúncias de que a companhia realizava furto de energia
    Equipe do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) investigava denúncias de que a companhia realizava furto de energia Ciete Silvério/Governo do Estado de SP

    Marcos Rosendoda CNN

    em São Paulo

    A Polícia Civil resgatou dois homens que eram mantidos em uma situação análoga à escravidão em uma empresa de beneficiamento de plásticos, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

    Uma equipe do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) investigava denúncias de que a companhia realizava furto de energia. Os policiais cumpriam um mandado de busca e apreensão, no imóvel que fica na rua Maria Paula, no Jardim Presidente Dutra.

    No local, os policiais não conseguiram contatar os proprietários e sequer foram atendidos na portaria. Os agentes decidiram arrombar o portão e tiveram que conter um cão da raça rottweiler, que estava solto na garagem.

    A porta que dava acesso ao galpão da empresa estava trancada e as janelas possuíam barras de ferro em forma de grade. Novamente os policias tiveram que arrombar uma porta para entrar nas instalações da empresa.

    Lá encontraram dois homens que trabalhavam em condições precárias. Eles não tinham equipamentos de segurança, mesmo manipulando material tóxico, altamente inflamável. O lugar estava tomado de gases e fumaça. Os policiais verificaram que os extintores estavam todos vencidos e jogados no chão.

    O lugar estava completamente insalubre, com banheiros sujos e a cozinha sem a mínima condição de higiene.

    Os policiais da 3ª Delegacia do Patrimônio constaram que a empresa utilizava mecanismos para furtar energia. O local foi interditado. O proprietário não foi localizado até o momento.

    Veja também – TSE julgará ações contra Bolsonaro e Braga Netto