Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Policial civil é morta após ser baleada por empresário em casa nos Jardins, em SP

    Investigadora Milene Bagalho Estevam, de 39 anos, foi atacada a tiros pelo proprietário da residência, que tinha histórico criminal, e por um segurança; atiradores também morreram

    Ana Coelhoda CNN

    Um tiroteio no bairro nobre dos Jardins, em São Paulo, resultou na morte de três pessoas, incluindo uma investigadora da Polícia Civil, na noite de sábado (16). Milene Bagalho Estevam, de 39 anos, foi vítima de assassinato após ir a uma residência, com outro policial, para investigar um furto que teria ocorrido no dia anterior.

    O proprietário da casa, Rogério Saladino, de 56 anos – que “possuía passagens por homicídio, lesão corporal e crime ambiental”, segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP) – e um segurança da residência também morreram, após trocarem tiros com os policiais.

    De acordo com a SSP, a policial foi até uma residência em busca de imagens de câmeras de segurança para a investigação. O proprietário reagiu violentamente e atirou na policial, que foi atingida pelos disparos. O colega da investigadora interveio, baleando o empresário.

    VÍDEOS – Veja o tiroteio que deixou três mortos no bairro dos Jardins

     

    No entanto, um segurança da casa pegou uma das armas no chão e também disparou contra os policiais, sendo morto em seguida.

    O resgate foi acionado, mas tanto a policial quanto o empresário não resistiram aos ferimentos e morreram no hospital. O terceiro envolvido morreu no local do confronto. A SSP não divulgou o nome ou outras informações sobre o empresário e o segurança mortos.

    Ainda segundo a polícia, quatro armas foram apreendidas, sendo duas pertencentes aos policiais civis e duas ao empresário.

    Além disso, durante a busca na residência, foram encontradas porções de drogas.

    O caso está sendo investigado pela Divisão de Homicídios do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa) e foi registrado como homicídio e morte decorrente de intervenção policial.

    Em nota, a Polícia Civil disse que Milene Bagalho Estevam faleceu no cumprimento da função. “Ela tinha 39 anos e estava na instituição há 7 anos. Deixa uma filha de 5 anos. A Polícia Civil presta os mais sinceros sentimentos de solidariedade à família e aos amigos”, diz a nota.

    Também em nota, a família de Rogério agradeceu as manifestações que recebeu e pediu para que a intimidade dos familiares seja preservada.

    “Rogério Saladino era um empresário de sucesso, empreendedor que confiava no Brasil. A tragédia ocorrida ontem ceifou a vida de uma competente policial civil, de um profissional que trabalhava na residência e do próprio Rogério Saladino”, diz o texto.