Porta-voz da PM do RJ exonerada após atacar repórter assume Batalhão do Leblon

A designação da tenente-coronel Gabryela Dantas foi anunciada na noite de quarta-feira (9), quando seu nome foi publicado no Boletim Interno da PM

Foto: Reprodução/ Twitter

Por Stéfano Salles, da CNN, no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Exonerada da função de porta-voz da Polícia Militar do Rio de Janeiro após publicar, no Twitter da corporação, um vídeo em que atacava um repórter dos jornais “O Globo” e “Extra” por causa de uma reportagem, a tenente-coronel Gabryela Dantas ficou pouco tempo sem atribuição definida na corporação. Ela foi designada comandante do 23º Batalhão de Polícia Militar, do Leblon, na Zona Sul do Rio. 

Leia também:

Em mês de quarentena, polícia do RJ mata quase seis pessoas por dia

Músicas inéditas de Renato Russo são encontradas pela polícia no Rio

1.000 dias da morte de Marielle Franco: o que se sabe até aqui

A designação da tenente-coronel Gabryela Dantas foi anunciada na noite de quarta-feira (9), quando seu nome foi publicado no Boletim Interno da PM, no mesmo dia em que sua exoneração do cargo de porta-voz foi anunciada. Para o posto anteriormente ocupado pela tenente-coronel foi designado o major Ivan Blaz, que já exerceu a função em outros governos. 

O vídeo com os ataques ao repórter foi retirado do ar e deu lugar a uma nota, publicada no site oficial da corporação, na qual a PM diz: 

“A verdade é que podemos crescer juntos em quando divididos, crescem os verdadeiros inimigos da ordem e da democracia. Nesse sentido, a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro esclarece que, ao personalizar esse descontentamento em um repórter, ultrapassou um limite que feriu o equilíbrio de sua atuação. Reconhecemos o valor da liberdade de imprensa.” 

Destaques do CNN Brasil Business:

Homem mais rico do Brasil, o banqueiro Joseph Safra morre aos 82 anos

Com Selic em 2%, quanto rende investir R$ 1 mil em poupança, fundos ou títulos?

Airbnb precifica ações acima da faixa estimada no maior IPO dos EUA em 2020

‘Carreira em Y’ pode explicar por que algumas empresas têm chefes tão ruins

Quase de forma simultânea à publicação da nota, o governador interino, Cláudio Castro (PSC), publicou, na mesma rede social, a mensagem:

“Confio no trabalho dos policiais que têm a nobre missão de servir e proteger. Todos os dias somos questionados e muitas vezes vítimas de acusações. Ainda assim, defendo o diálogo com a imprensa. O debate de ideias é importante, mas é preciso preservar e respeitar ambos os lados”, disse o governador interino.

Mais Recentes da CNN