Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Postagem usa foto de atos sem presença de Lula para tentar desacreditar pesquisas eleitorais

    Publicação enganosa coloca lado a lado imagens de supostas manifestações de apoio a Lula, com poucas pessoas, e a Jair Bolsonaro, lotadas

    Projeto Comprova

    Do Projeto Comprova

    Ouvir notícia
    Enganoso: É enganosa a publicação que tenta desacreditar as pesquisas eleitorais colocando lado a lado imagens de supostas manifestações de apoio a Lula, com poucas pessoas, e em apoio a Jair Bolsonaro lotadas, junto a dados de uma pesquisa divulgada em junho de 2022 que mostra o petista à frente da disputa. O conteúdo foi compartilhado por pelo menos dois políticos. As consultas ao eleitorado registram um recorte do momento e não uma previsão do futuro
    Conteúdo investigadoPublicação compara três imagens de supostas manifestações em apoio a Bolsonaro com três fotos que seriam de atos em prol do ex-presidente Lula. Acima de cada uma das duas colunas aparecem os percentuais de intenção de voto do atual presidente (28%) e do petista (47%), conforme último levantamento do Datafolha. O post é acompanhado da legenda: “A melhor pesquisa continua sendo o DataPovo!”. Deputado federal compartilhou a postagem e adicionou a música “Mentes tão bem”, de Zezé di Camargo e Luciano.
    Onde foi publicado: Facebook.

    Conclusão do Comprova: É enganoso o conteúdo publicado no perfil “Jacaré de Tanga” no Facebook para levantar suspeitas sobre a credibilidade das pesquisas eleitorais. Na postagem, fotos de manifestações em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ao presidente Jair Bolsonaro (PL) –ambos na disputa ao Palácio do Planalto – aparecem junto aos dados de intenções de voto de cada um deles na última pesquisa divulgada pelo Datafolha. O conteúdo de desinformação é acompanhado da legenda “A melhor pesquisa continua sendo o DataPovo”, em uma tentativa de ironizar os dados obtidos no levantamento.

    Usando fotos com número reduzido de pessoas em manifestações, o post sugere que Lula tem baixa popularidade junto ao eleitorado brasileiro, o que não procede. Até agora, o petista aparece em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto para presidente, que utilizam métodos científicos a fim de eliminar vieses. Além disso, as imagens relativas a Bolsonaro são de eventos com a participação do presidente. Enquanto as de Lula, no momento do registro fotográfico, o petista não estava presente. A comparação, portanto, se mostra equivocada.

    As consultas ao eleitorado registram um recorte do momento em que as entrevistas foram feitas e não uma previsão do futuro. Até as eleições, mudanças podem ocorrer no cenário eleitoral e um candidato, que hoje aparece na preferência, pode deixar essa posição. Atualmente, conforme levantamento do Estadão que agrega resultados de pesquisas eleitorais, Lula lidera por 46% a 30% sobre Bolsonaro.

    Para o Comprova, enganoso é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

    Alcance da publicação: O Comprova investiga os conteúdos suspeitos de maior alcance nas redes sociais. Até o dia 1º de julho, o conteúdo publicado pelo deputado teve mais de 2,3 mil compartilhamentos, 6,6 mil curtidas e 1,6 mil comentários.

    O que diz o autor da publicação: O Comprova tentou contato com o dono do perfil “O jacaré de tanga”, que acumula mais de 940 mil seguidores no Facebook. Não obtivemos resposta até a publicação desta checagem.

    Como o post também foi compartilhado pelo deputado federal José Medeiros (PL), que é vice-líder do governo Bolsonaro na Câmara, buscamos um posicionamento do parlamentar. Procurado, por meio de sua assessoria de imprensa, ele afirmou que o conteúdo alvo desta checagem seria um meme. Medeiros acrescentou que há pesquisas que mostram outros cenários no primeiro turno, e compartilhou a mais recente feita pelo Instituto Futura para o Banco Modal, em que Lula e Bolsonaro aparecem empatados. Contudo, mesmo neste levantamento, o petista ganha no segundo turno.

    Como verificamos: Inicialmente, tentamos localizar, por meio da busca reversa do Google, todas as imagens contidas na publicação alvo desta checagem para saber se de fato as manifestações ocorreram. Separamos foto por foto e cada uma foi inserida no buscador. Para tanto, na seção imagens, a reportagem clicou no símbolo de uma câmera e fez o upload das fotos. Também foi usado o Google Lens para pesquisar as imagens.

    Para entender o contexto de cada foto, ainda recorremos a reportagens publicadas na imprensa (UolG1EstadãoCorreio BrazilienseEstado de Minas).

    Buscamos outras verificações feitas pelo próprio Comprova, igualmente relativas a conteúdos de desinformação e que tentam, de forma reiterada, desacreditar as pesquisas eleitorais (123456).

    O Comprova também fez contato com o deputado federal José Medeiros, por meio de sua assessoria de imprensa, e com o perfil “O Jacaré de Tanga”, em mensagem pelo Facebook.

    Pesquisa retrata realidade do momento

    O post aqui investigado, ao escrever “O DataPovo é a melhor pesquisa!”, questiona a credibilidade das pesquisas de intenção de voto. Postura semelhante adota o deputado federal José Medeiros, ao inserir trecho da canção “Mentes tão bem”, de Zezé di Camargo e Luciano, ao conteúdo compartilhado em seu perfil no Facebook.

    Nos comentários, seguidores também desacreditam os levantamentos e chegam a sugerir que uma eventual vitória de Lula na disputa deste ano seria fruto de uma “fraude nas urnas”. Outro seguidor acrescenta: “Uma vergonha essas pesquisas manipuladas, a esquerda vai dar o golpe nas urnas. É a única saída para ela voltar ao poder”.

    Como o Comprova mostrou recentemente, as pesquisas eleitorais utilizam métodos científicos para apurar a realidade do momento junto a segmentos representativos do eleitorado brasileiro de uma forma geral.

    Em entrevista à Agência Brasil, a diretora-executiva do Ipec (ex-Ibope Inteligência), Marcia Cavallari, explicou que “o objetivo de uma pesquisa eleitoral não é o de antecipar os resultados da eleição, mas sim o de mostrar o cenário no momento em que foi realizada.” Segundo Cavallari, “a pesquisa é uma fotografia do momento e não tem o poder e nem a intenção de prever o resultado de uma eleição. Por isso, seus resultados não podem ser usados para prever o resultado das urnas.”

    Além disso, uma checagem publicada pelo Estadão em 30 de junho, reforça que os institutos de pesquisa fazem um planejamento amostral, no qual sorteiam os municípios e setores censitários onde serão realizadas as entrevistas. Isso ocorre, segundo o professor do Departamento de Ciências Políticas da Universidade de Minas Gerais (UFMG) Felipe Nunes para garantir que o critério de participação do entrevistado na pesquisa seja aleatório, sem sofrer interferências externas que possam gerar vieses.

    O último levantamento realizado pelo Datafolha mostrou um cenário estável na corrida presidencial do país. Foram ouvidos 2.556 eleitores em 181 cidades brasileiras, entre os dias 22 e 23 de junho. A pesquisa foi contratada pela Folha de S. Paulo e está registrada no TSE sob o número 09088/2022. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

    O ex-presidente Lula apareceu 19 pontos à frente de Jair Bolsonaro, totalizando 47% das intenções de voto no primeiro turno. O atual presidente foi mencionado por 28% dos entrevistados e ficou com larga vantagem em relação ao terceiro colocado, o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT), que obteve 8% da preferência do eleitorado.

    Fotos usadas na postagem são de diferentes manifestações

    O autor da montagem do post usa momentos distintos de manifestações pró e contra Bolsonaro para sustentar a tese de que a preferência do eleitorado não está sendo reproduzida pelas pesquisas.

    Na primeira foto relacionada a Lula, o protesto não era exatamente a favor do ex-presidente, mas contra o atual mandatário do país. Intitulado “Bolsonaro Nunca Mais”, foi realizado por movimentos sociais e sindicatos em 9 de abril de 2022 em várias cidades brasileiras. Na foto reproduzida no post, trata-se da manifestação em Joinville, Santa Catarina, e a baixa adesão no município catarinense já havia sido alvo de ironia de aliados do governo, como Luciano Hang. No mesmo dia, porém, houve mais mobilização em outros pontos do país, como São Paulo.

    terceira imagem é de fato um ato pró-Lula e foi realizado em 1º de maio deste ano, Dia do Trabalho, em São Paulo. Organizado pelas centrais sindicais, aconteceu ao longo do dia na praça Charles Miller, no centro da capital paulista, e teve a participação do ex-presidente, que fez discurso à tarde.

    Reportagens indicaram que houve baixa adesão ao movimento naquele dia, mas não apenas no de apoio ao petista. Bolsonaro também enfrentou a situação.

    Diferentemente das fotos atribuídas a atos pró-Lula, em que apenas uma manifestação registrou a presença do ex-presidente, todas as imagens que retratam apoio a Bolsonaro no post têm a participação do presidente.

    A segunda foto é de uma motociata em São Paulo realizada em 12 de junho de 2021, ou seja, há mais de um ano. O ato foi registrado em redes sociais pelo próprio presidente. O Comprova já demonstrou mais de uma vez (12) a utilização de imagens antigas, por apoiadores de Bolsonaro, para inflar a popularidade dele e questionar a credibilidade das pesquisas eleitorais deste ano.

    A última imagem reproduz motociata realizada em 11 de junho deste ano em Orlando, nos Estados Unidos. O ato reuniu cerca de 350 apoiadores de Bolsonaro, conforme reportagem da Folha.

    A segunda foto referente a Lula e a primeira de Bolsonaro não foram localizadas nas pesquisas de busca reversa e do Google Lens em reportagens de veículos profissionais para que fosse possível identificar o contexto do registro, como local, data e circunstâncias.

    Ataque às pesquisas têm aumentado

    Acompanhando a narrativa de Bolsonaro, seguidores do presidente frequentemente fazem ataques às pesquisas eleitorais, numa tentativa de tirar a credibilidade das consultas à população que, até o momento, têm indicado vantagem de Lula na disputa à presidência.

    Os casos têm se tornado mais frequentes e, para conter a desinformação, o Comprova reiteradamente faz matérias para demonstrar o problema (123456). Também já explicou que a pesquisa usa métodos científicos para chegar ao resultado divulgado.

    Vale ressaltar ainda que a legislação brasileira prevê que todas as pesquisas sejam registradas na Justiça Eleitoral, detalhando, entre outras informações, a metodologia usada, a amostra, os dados do profissional responsável e, inclusive, quem contratou a pesquisa. Tudo está disponível para consulta no site do TSE.

    Por que investigamos: O Comprova verifica conteúdos suspeitos sobre pandemia, políticas públicas e eleições que viralizaram. As pesquisas eleitorais são ferramentas essenciais para a análise do contexto político do país. A tentativa de descredibilizá-las diminui a confiança das pessoas sobre os institutos de pesquisa, atrapalha a percepção da realidade e influencia o voto de forma equivocada.

    Outras checagens sobre o tema:

    Recentemente, o Comprova mostrou que post engana ao usar caso no Rio Grande do Norte para tirar credibilidade de pesquisas eleitorais, que outro post troca local de ato contra Lula para desacreditar pesquisas, que vídeo faz alegações enganosas para colocar em dúvida credibilidade de pesquisas eleitorais e que áudio sobre fraudes em pesquisas é de comediante, não de ex-diretor do Datafolha.

    Investigado por: A Gazeta, CBN Cuiabá e Imirante.com. Verificado por: Folha de S. Paulo, O Dia, Correio de Carajás, O Estado de S. Paulo e Plural Curitiba.

    Mais Recentes da CNN