Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Prefeitura monta palanque em Copacabana; 7 de Setembro terá 1.800 PMs extras

    Cerimonial do Palácio do Planalto está no Rio de Janeiro desde a sexta-feira (2)

    Pedro Duranda CNN

    no Rio de Janeiro

    A estrutura metálica que vai servir de base para as autoridades políticas e militares que participarão da celebração do Bicentenário da Independência na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, recebeu os últimos ajustes nesta segunda-feira (5). Foram colocados, por exemplo, carpetes, e árvores na orla da praia foram podadas para evitar acidentes.

    A Polícia Militar do Rio de Janeiro terá 1.800 agentes extras para reforçar a segurança da cidade. O contingente inclui o policiamento da orla, a segurança do ato em Copacabana, outras manifestações, como o Grito dos Excluídos, e a partida entre Flamengo e Vélez Sarsfield, pela Libertadores, no estádio do Maracanã, à noite. Os policiais chamados são os que estariam de férias ou folga.

    A Guarda Civil Municipal destacou 37 agentes para acompanhar o evento, cuidando do trânsito e do apoio ao combate de vendedores ambulantes. A Avenida Atlântica, onde foi montado o palco, estará fechada para carros, como acontece tradicionalmente aos feriados.

    A presença do presidente Jair Bolsonaro (PL) em Copacabana é esperada por volta das 15h. O vice na chapa dele, General Walter Braga Netto, também estará no evento, segundo a Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto, além do governador Cláudio Castro (PL). Integrantes da Secom e do departamento de cerimonial da presidência chegaram no Rio de Janeiro na última sexta-feira (2).

    O ato de 7 de Setembro é o único evento público do presidente da República no Rio de Janeiro. À noite, ele terá um compromisso “privado”, segundo a Secom, e deve retornar à Brasília na quinta-feira (8) de manhã para seguir a programação já prevista.

    Aliados de Bolsonaro estão convocando seus apoiadores para o ato de 7 de Setembro. A convocação vem com tom de crítica ao Supremo Tribunal Federal (STF) e pedidos de “liberdade”. Além de ministros e autoridades militares, são esperados candidatos a deputado pela chapa de Bolsonaro e Cláudio Castro, ambos do PL.