Produtores de gado no Pantanal reclamam de restrições de leis ambientais

 
  Foto: Doc. Filmes

Paulo Franco*

Ouvir notícia

A grande reclamação dos fazendeiros é o que os órgãos ambientais não permitem a retirada de algumas espécies de vegetação, consideradas invasoras pelos criadores de gado, como o pombeiro.

“Ela destrói a beleza do campo, ela toma conta do nosso campo, fazendo com que as pastagens diminuam. Nós não queremos desmatar o Pantanal, nós queremos limpar o Pantanal”, garante João Lozano, que tem 2.000 cabeças de gado em uma área de 7.000 hectares.

Para o presidente da Fundação Ecotrópica, Ilvanio Martins, o manejo sustentável da terra é possível no Pantanal.

“O que precisa fazer é não dissociar a ciência da cultura, da tradição e do próprio entendimento do pantaneiro”, afirma.

Leia também

Em carta, Câmara pede que artistas ‘emprestem suas vozes’ ao Pantanal

Entenda os impactos do recorde de queimadas no Pantanal nos animais da região

Delegado da PF: Há indícios de que fogo no Pantanal foi causado por fazendeiros

A ecóloga Cátia Nunes da Cunha defende a revisão da legislação para contemplar as peculiaridades de cada bioma. “Entender que esse ecossistema, assim como os outros, tem características particulares. Uma lei para o Brasil não é uma lei que dê condições de manejar todos esses sistemas”, defende. 

A demora em solucionar alguns conflitos no Pantanal já fizeram muitos fazendeiros se mudarem para o Cerrado, bioma com características bem diferentes.

O acesso é mais fácil, o custo e o tempo de produção do gado são menores e consequentemente o produto final é mais lucrativo.

“Nossa renda aqui no Pantanal é menor do que a do Cerrado, pois lá o boi engorda mais rápido e não tem essa dificuldade da enchente e da seca”, explica João Lozano.

Fogo frio

Segundo os fazendeiros, por ser uma planície sazonalmente inundável, o solo no Pantanal fica cheio de matéria orgânica, tornando praticamente impossível fazer o manejo com máquinas e tratores.

João Lozano afirma que, há séculos, o povo pantaneiro usa o fogo para limpar o terreno: “O fogo frio é aquele que você põe na hora certa, no final da cheia ou no início das chuvas. Vai lá, põe o fogo, queima essa massa orgânica e a chuva controla”, diz o produtor rural. 

Especialistas concordam que a utilização do fogo é benéfica em alguns ambientes, mas alertam para a observação do clima antes de usar essa técnica.

“Nós estamos tendo uma alteração no período de chuvas. Se enchia em março e não se enche mais. Nesse caso, o tempo do fogo, necessariamente, precisa ser revisto”, explica Ivanildo Martins, da Ecotrópica. 

A imperícia na utilização dessa técnica pode ser uma das causas do incêndio que destruiu 27% do Pantanal em 2020.

Os fazendeiros alegam que é necessário maior diálogo entre os produtores de gado e as autoridades para definir uma legislação mais clara. “A partir desse incêndio sem controle, precisamos sentar com os órgãos competentes e fazer um meio termo para evitar novas tragédias”, diz João Lozano. 

Experimentos

A realização de experimentos também é apontada como uma saída para se chegar a um acordo entre produção e meio ambiente.

Um projeto piloto com 15 fazendas já está em andamento para testar novas tecnologias sustentáveis e conciliar tradição ao meio ambiente.

“Para entender exatamente o que causa impacto positivo no Pantanal e o que causa impacto negativo. A partir daí, gente vai poder propor novas políticas públicas baseadas em dados científicos”, explica o diretor do Senar/MT, instituição de ensino rural voltada para educação e assistência técnica. 

(*Da DOC. Films, especial para a CNN Brasil)

 

Mais Recentes da CNN