BRANDED CONTENT

AES Brasil: acelerando o futuro com energia 100% renovável

22 de abril de 2021 às 09:32
AES Brasil
Foto: AES

O Brasil é uma potência de energia renovável. Segundo dados do Balanço Energético Nacional (BEN) publicados em 2020, as fontes renováveis atingiram uma demanda de participação de 83% na matriz energética, o que representa três vezes o percentual mundial.

E uma das principais companhias que colaboram com o exponencial crescimento do setor é a AES Brasil, que atua principalmente no Mercado Livre de Energia. Há mais de 20 anos no país, tem seu portfólio 100% renovável, alinhado às melhores práticas de ESG (Environmental, Social and Governance), em português: Ambiental, Social e Governança, a fim de mensurar as medidas adotadas para colaborar na construção de um mundo mais equitativo e responsável.

Os investimentos constantes em inovação contribuem para a resolução dos desafios em energia dos clientes. Através do mercado livre de energia, a companhia oferece soluções sob medida, que trazem uma economia significativa, além de gerar valor para a sociedade e reduzir os impactos ambientais.

MAS O QUE É O MERCADO LIVRE DE ENERGIA?

Atualmente existem dois tipos de ambientes para a contratação empresarial de energia:

Mercado Cativo/Regulado – Ambiente de Contratação Regulada (ACR) - onde as tarifas de energia são determinadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Mercado Livre de Energia – Ambiente de Contratação Livre (ACL) – onde os preços de energia são negociados diretamente com o gerador ou comercializador, através de um processo flexível, transparente e competitivo.  

É nesse ambiente que a AES Brasil tem firmado grandes parcerias com empresas de todos os portes. As soluções oferecidas pela companhia são competitivas e customizadas, pensadas na necessidade de cada cliente. 

Um grande exemplo é o contrato firmado, em fevereiro deste ano, com a MinasLigas, para o fornecimento de 21 MW médios de energia, por 20 anos.

Dados da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) mostram que 80% da energia consumida pelas indústrias é adquirida no mercado livre de energia, segmento que cresce a cada ano e já representa mais de 30% de toda energia elétrica consumida no País.  

QUEM PODE ADQUIRIR ENERGIA ATRAVÉS DO MERCADO LIVRE?

Qualquer indústria, comércio ou empresa ligada em média ou alta tensão, com demanda superior a 500kW, que será classificada em uma dessas categorias:

- Consumidor livre: demanda contratada igual ou superior a 1500kW.

- Consumidor especial: demanda contratada entre 500kW e 1500kW. 

Além da economia, as empresas têm amplo poder de escolha, flexibilidade nas negociações e conseguem prever os custos. Tudo com transparência, liberdade, mais competitividade e com certificados que atestam o uso de fontes renováveis, reforçando o compromisso com a sustentabilidade.

Atualmente, mais de oito mil empresas, dos mais diferentes segmentos, contrataram este tipo de serviço para suprimento de energia: redes de hotéis, shoppings, hospitais, fabricantes de autopeças, montadoras, bancos, indústrias do agronegócio, produtoras de ferro, dentre outras. 

As grandes indústrias já estão habituadas a negociar energia nesse ambiente. Porém, parte das pequenas e médias empresas ainda estão relutantes em migrar para o ambiente livre. A maioria, porque desconhece este processo ou porque o acha muito burocrático. 

Para simplificar e acelerar a entrada destas empresas nessa modalidade, a AES Brasil criou o Energia+, plataforma digital de migração para o ACL, que ajudará cada empresa, de forma customizada, a consumir energia de forma eficiente e inteligente, acessível através do link www.aesenergiamais.com.br.

A AES Brasil cuida de todo o processo, atuando de ponta a ponta, desde o diagnóstico, passando pela integração das soluções, até o acompanhamento e gestão.

Aderindo à migração ao ACL, o SENAC São Paulo, em 2020, fechou um contrato de 5 anos com a companhia para a migração de 3,5 MW de carga dividida entre as 40 unidades no estado. Com isso, houve uma economia de 17% nos custos com recursos energéticos, o que representou cerca de R$ 500.000,00 ao ano. 

A busca pela energia do jeito certo, com segurança, qualidade, sustentabilidade e economia não é apenas uma tendência, mas sim uma realidade para empresas que querem renovar a sua relação com o planeta e gerar valor para o próprio negócio.

Foto: AES