Rio avalia fechar Copacabana durante Réveillon

A ideia ainda será discutida pela Secretaria Municipal de Saúde e pelo comitê científico para casos de coronavírus

Leandro Resendeda CNN

Ouvir notícia


 

A prefeitura do Rio avalia fechar o bairro de Copacabana durante o Reveillón para evitar aglomerações em meio ao avanço do coronavírus na capital. A sugestão foi feita por Cláudio Castro, governador em exercício, ao presidente da Câmara dos Vereadores Jorge Felippe, que desde ontem, com a prisão de Marcelo Crivella, é o prefeito em exercício do Rio de Janeiro. 

A ideia ainda será discutida pela Secretaria Municipal de Saúde e pelo comitê científico para casos de coronavírus. O plano é limitar o acesso ao bairro, em cuja praia se reúnem milhares de pessoas todos os anos nas festas de Ano Novo.

Leia também:
Parece que todo mundo perdeu o medo da doença, diz infectologista
Começo da vacinação será, na melhor hipótese, no fim de janeiro, diz Pazuello
Após aprovação na Suíça, Anvisa deve acelerar registro de vacina da Pfizer

Queima de fogos na praia de Copacabana no Réveillon de 2019
Queima de fogos na praia de Copacabana no Réveillon de 2019
Foto: Gabriel Monteiro – 1.jan.2019/ Secom/ Agência Brasil

Membros do comitê científico da prefeitura do Rio avaliam que a ideia de Castro é boa, mas pode ser “inócua se nada for feito para evitar que as pessoas cheguem até as areias da praia”, onde são registradas as aglomerações no dia da virada. Ou seja, a avaliação dos especialistas é que também é preciso fechar o acesso à praia no dia 31 deste mês. 

A CNN conversou nesta quarta-feira (23) com o secretário municipal de Saúde, Jorge Darze, que defendeu medidas mais duras para diminuir a circulação de pessoas no Rio de Janeiro. Darze assumiu o cargo ontem, nomeado pelo prefeito afastado Marcelo Crivella, e fez um apelo para que Jorge Felippe coloque em prática as medidas restritivas mais duras e que foram sugeridas pelo Comitê Científico da prefeitura no começo de dezembro.

Entre as sugestões que não estão sendo efetivamente cumpridas estão, segundo Darze, o fechamento de praias, a limitação do horário de funcionamento de bares e restaurantes até as 22h e o escalonamento no horário de atividades de trabalho, para evitar superlotação do transporte público.

Mais Recentes da CNN