Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rio suspende aulas em escolas municipais da zona oeste após ataques a ônibus

    Cidade está em estágio de atenção depois que criminosos incendiaram pelo menos 30 coletivos nesta segunda-feira (23)

    Ônibus foram incendiados por criminosos na zona oeste do Rio de Janeiro
    Ônibus foram incendiados por criminosos na zona oeste do Rio de Janeiro Reprodução/CNN

    Da CNN

    A Prefeitura do Rio de Janeiro suspendeu as aulas nas escolas municipais da zona oeste depois que criminosos incendiaram pelo menos 30 ônibus na cidade nesta segunda-feira (23).

    A informação foi confirmada nas redes sociais pelo secretário municipal de Educação do Rio, Renan Ferreirinha. “Nossas equipes estão acompanhando de perto para minimizar os danos dessa guerra na vida do carioca, em especial nossos alunos e profissionais”, escreveu o titular da pasta.

    As ocorrências fizeram o município entrar em estágio de atenção, segundo o Centro de Operações da Prefeitura. De acordo com o órgão, o estágio de atenção “é o terceiro nível em uma escala de cinco e significa que uma ou mais ocorrências já impactam o município, afetando a rotina de parte da população”.

    Segundo a Polícia Civil, os ataques foram motivados pela morte do sobrinho de um miliciano durante um confronto com policiais.

    O indivíduo morto foi identificado como Matheus da Silva Resende, 24 anos. Conhecido como Teteu ou Faustão, ele era sobrinho do miliciano Luis Antônio da Silva Braga, o Zinho, que desde 2021 é o líder do principal grupo miliciano que atua no Rio.

    Nas redes sociais, o governador Cláudio Castro (PL) parabenizou os policiais envolvidos na operação contra a milícia e afirmou que, “além do parentesco com o criminoso [Zinho], [Faustão] atuava como ‘homem de guerra’ do grupo paramilitar, sendo o principal responsável pelas guerras por territórios que aterrorizam moradores no Rio”.

    (Publicado por Fábio Munhoz. Com informações de João Victor Azevedo, Catarina Nestlehner, Letícia Cassiano e Marcos Rosendo, da CNN, e do Estadão Conteúdo)