RJ recorre de decisão judicial que quer acabar com medidas restritivas na cidade

Recomendação da prefeitura é para que as pessoas continuem evitando exposições desnecessárias na capital fluminense

Agentes fiscalizam praias no Rio de Janeiro em meio às medidas restritivas na cidade
Agentes fiscalizam praias no Rio de Janeiro em meio às medidas restritivas na cidade Foto: Reprodução / CNN

Marcela Monteiro, da CNN, no Rio de Janeiro 

Ouvir notícia

O secretário municipal da Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, afirmou nesta quinta-feira (22) à CNN que a prefeitura já foi notificada da decisão que suspenderia as medidas restritivas na capital e que já recorreu da mesma. 

“Continuamos enfatizando a importância das medidas restritivas. “Essa é a nossa recomendação e a gente tem insistido muito nessas medidas. Tem uma discussão judicial acontecendo, mas a gente tem certeza que a ciência, a recomendação técnica vai prevalecer. A gente sabe que a recomendação técnica necessita de interromper a cadeia de transmissão da Covid na cidade”, disse Soranz.

Uma decisão da juíza Regina Chuquer, da 6ª Vara de Fazenda Pública, suspendeu a validade de quatro decretos anteriores ao atual em vigor (publicado no dia 16 de abril e que descreve restrições até o dia 27 de abril). Houve, então, uma confusão sobre a validade do despacho. 

Na prática, a decisão pode fazer cair a proibição de permanência das pessoas na areia e derrubar o veto do comércio nas praias, além de autorizar as pessoas a ficarem nas ruas entre 23h e 5h, e acabar com as restrições de horário para bares e restaurantes, além da escala para serviços e comércio.

O secretário disse ainda que a cidade continua com um número alto de hospitalizações por causa do novo coronavírus. Na manhã dessa quinta-feira (22), 1.400 pacientes estavam internados em um leito de Covid-19, a metade em estado grave nas unidades de terapia intensiva (UTI).

Apesar disso, a diminuição na fila de espera pode apontar para uma melhora da situação nos próximos dias. 

“Ainda tem muita gente internada por Covid-19. Mas a fila vem diminuindo gradativamente. Hoje a fila estava em 48 pacientes no início da manhã. Ela vem reduzindo na cidade do Rio de Janeiro, porque novos casos têm aparecido menos. Tem uma redução nas unidades de urgência e emergência. Tem uma redução nas unidades de atenção primária de pessoas que procuram os serviços com síndrome gripal. Isso está se refletindo na solicitação de novas vagas, que começou a diminuir. A gente espera que isso também vá se refletir na diminuição de óbitos por Covid mais à frente”, afirmou o secretário.

Vacinação de idosos

Para conter o avanço da Covid-19, Soranz reforçou, também, a importância da vacinação e fez um apelo para as pessoas com 60 anos ou mais que ainda não se vacinaram. 

“Essa é a semana mais importante para a gente, é a semana que a gente finaliza a vacinação dos idosos. Já foram 1 milhão de idosos vacinados na cidade do Rio de Janeiro. A meta é chegar, até sábado (24), com 90% dos idosos vacinados para Covid-19. E a gente começa uma busca ativa, intensa, para vacinar todas as pessoas com mais de 60 anos que ainda não se vacinaram. A partir de agora, todo mundo que tem mais de 60 anos pode vir se vacinar na cidade do Rio de Janeiro.”

A capital fluminense completa a aplicação da primeira dose da vacina contra a Covid-19 em todos os idosos essa semana. 

A partir do dia 26 de abril começa uma nova fase que passa a atender pessoas com comorbidades, deficiências permanentes, profissionais da educação, limpeza urbana, forças de segurança e agentes penitenciários.

Mais Recentes da CNN