Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    RS registra segunda morte por leptospirose relacionada às enchentes

    Segundo familiares, vítima teria tido contato com as águas das enchentes, mesmo tendo adotado o uso de itens de proteção

    Imóvel parcialmente destruído pela chuva no interior do Rio Grande do Sul
    Imóvel parcialmente destruído pela chuva no interior do Rio Grande do Sul Mauricio Tonetto/Secom RS

    Victor Locatelida CNN*

    Em São Paulo

    O Rio Grande do Sul registrou a segunda morte por leptospirose nesta terça-feira (21) desde o início da pior enchente da sua história. A vítima era um homem de 33 anos e morava na cidade de Venâncio Aires, a cerca de 185 quilômetros de Porto Alegre.

    Segundo familiares, o homem teria tido contato com as águas das enchentes, mesmo tendo adotado o uso de itens de proteção, como botas. Somente neste mês, o município confirmou outros dois casos de contaminação pela doença –mas sem outras mortes, por enquanto.

    Outro homem, de 67 anos, morreu infectado com a doença na cidade de Travesseiro, no Vale do Taquari. A morte foi a primeira confirmada pelo estado após as chuvas que afetam a região desde o final de abril.

    Leptospirose

    A leptospirose é uma doença transmitida aos humanos pelo contato com a urina de animais infectados, principalmente ratos. Entre os principais sintomas estão febre, fraqueza, dor de cabeça e no corpo, como nas panturrilhas, além de calafrios.

    Os sinais da infecção surgem, normalmente, de cinco a 14 dias após a contaminação, podendo chegar a 30 dias.

    Chuvas no Rio Grande do Sul

    Desde o fim de abril, quando o Rio Grande do Sul foi tomado por fortes chuvas, o estado já registra 161 pessoas mortas e outras 85 desaparecidas, de acordo com os dados divulgados pela Defesa Civil na manhã desta terça-feira (21).

    Cerca de 72.500 pessoas se encontram em abrigos, enquanto outras 581.633 estão desalojadas. O número de municípios afetados está em 464.

    * Sob supervisão