Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sobe para 46 o número de desaparecidos após passagem de ciclone no RS

    Cidade de Muçum contabilizou 21 novas pessoas desaparecidas; número de cidades em estado de calamidade cresce para 83

    Douglas Portoda CNN

    em São Paulo

    A Defesa Civil do Rio Grande do Sul divulgou, nesta sexta-feira (8), que o número de desaparecidos subiu de 25 para 46 após a passagem de um ciclone extratropical pelo estado.

    Foram contabilizados 21 novos desaparecidos na cidade de Muçum, passando de nove para 30. Os demais casos foram em Arroio do Meio e em Lajeado, sendo oito em cada município.

    Também cresceu o número de cidades em estado de calamidade, passando de 79 para 83, segundo informações do governo federal.

    A inclusão dos novos municípios no Diário Oficial deve ser feita ainda hoje, afirmou o ministro da Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes.

    O número de mortos se manteve em 41, nas seguintes cidades:

    • Cruzeiro do Sul: 4
    • Encantado: 1
    • Estrela: 2
    • Ibiraiaras: 2
    • Imigrante: 1
    • Lajeado: 3
    • Mato Castelhano: 1
    • Muçum: 15
    • Passo Fundo: 1
    • Roca Sales: 10
    • Santa Tereza: 1

    VÍDEO – “Muçum não existe mais”, diz prefeito de cidade destruída por chuvas no RS

    Até o momento, foram resgatadas 3.130 pessoas. Foram afetados 83 municípios.

    O número de desabrigados e desalojados está em 3.193 e 8.256, respectivamente. O número de afetados pelos fenômenos naturais no estado é de 147.341, deixando 223 pessoas feridas.

    Os conceitos de desabrigado e desalojado são diferentes. Desabrigado é aquele que perdeu a casa e está em um abrigo público. O desalojado teve de deixar sua casa –não necessariamente a perdeu – e não está em abrigos, mas sim na casa de um parente, amigo ou conhecido, por exemplo.

    Auxílio de R$ 800

    O presidente em exercício, Geraldo Alckmin (PSB), anunciou também nesta sexta-feira que o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome — comandado por Wellington Dias — irá liberar R$ 800 para cada pessoa afetada pelo desastre no Sul do país.

    Cerca de 20.000 cestas básicas também devem ser enviadas à população local.

    “A partir de hoje estamos liberando. O dinheiro não é para a pessoa, mas para a prefeitura. Não importa a idade, se é criança ou idoso, o dinheiro será pago ao município por pessoa”, declarou Alckmin.

    Alckmin e ministros devem visitar o Rio Grande do Sul neste domingo (10).

    Ainda segundo Alckmin, o Ministério da Saúde repassou 15.000 kits com medicamentos para a região. A Força Nacional do SUS foi acionado e o Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre, recebeu apoio da pasta, acrescentou o presidente em exercício.

    Veja também: Moradores do RS enfrentam destruição após ciclone