Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sobrinha de médico que morreu em abrigo no RS publica carta nas redes: “morrer é ridículo”

    Leandro Medice Passos Costa, de 41 anos, teve um mal súbito na última segunda-feira (13)

    O médico Leandro Medice Passos Costa, ao lado da sobrinha Amanda Medice, de 22 anos
    O médico Leandro Medice Passos Costa, ao lado da sobrinha Amanda Medice, de 22 anos Reprodução/redes sociais

    Julia Fariasda CNN*

    A nutricionista Amanda Medice, de 22 anos, publicou em suas redes sociais uma “carta aberta”, na qual lamenta a morte de seu padrinho, o médico Leandro Medice Passos Costa, 41 anos. Ele morreu na última segunda-feira (13) em um abrigo na cidade de São Leopoldo (RS), na região metropolitana de Porto Alegre.

    “Como assim???”, questionou a jovem indignada ao falar sobre a morte do tio. Os dois tinham planos futuros de almoçar nos próximos dias e, segundo Amanda, o médico também tinha outros projetos que gostaria de realizar. “Morrer é ridículo”, escreveu.

    “De uma hora pra outra, tudo termina num infarto no meio da tragédia que você foi ajudar no Rio Grande do Sul”, completou a sobrinha em seu depoimento.

    No aniversário de Amanda, em outubro do ano passado, o médico publicou em suas redes uma declaração à sua sobrinha e também afilhada, que apelidava de “filhota”.

    “Aniversário da minha filhota! Minha pequena, minha princesa… 22 aninhos de pura alegria dessa que é minha cópia, minha sósia… gosta das mesmas coisas que eu e não gosta das mesmas coisas também… rs eu te amo! conte sempre comigo! minha menina!”, dizia a legenda da foto publicada por Leandro.

    Ainda nesta semana, o dermatologista Carlos José Cardoso publicou em suas redes sociais um vídeo comentando o ocorrido com o médico. Cardoso estava acompanhando Leandro na viagem para o Sul do país

    Últimas horas de vida

    Segundo Cardoso, horas antes de ser encontrado morto, Leandro demonstrava estar bem. A dupla deixou o Espírito Santo na madrugada de domingo (12) para atuar, de forma voluntária, no atendimento às vítimas da chuva no Rio Grande do Sul. No dia seguinte, Leandro foi encontrado morto.

    A clínica onde Leandro trabalhava fez uma postagem em uma rede social na qual afirma que o médico sofreu um mal súbito. De acordo com o dermatologista, porém, ainda não se sabe o que causou essa situação.

    No último domingo, Leandro fez uma publicação em que anunciava a ida à cidade de São Leopoldo em uma missão humanitária para auxiliar no atendimento médico à população gaúcha. “O sul tá precisando da gente, então a gente saiu um pouquinho da nossa rotina e do nosso conforto de consultório”, disse.

    Velório e enterro

    O velório de Leandro ocorre no cemitério Jardim da Paz, em Serra, no Espírito Santo. O enterro está programado para as 10h desta quarta-feira (15).

    Leia a íntegra da carta escrita pela afilhada de Leandro:

    “Carta aberta para o meu dindo:

    Morrer é ridículo.
    Você combinou o que iríamos almoçar na semana seguinte, está com planos de reformar sua casa, está preocupado com contas, com várias ideias para o instituto… e do nada, pela manhã, morre. Como assim??? E os e-mails que você não leu? sua toalha molhada no varal? suas roupas para lavar? o instituto para limpar? os pacientes? a nossa família? Você passou mais de 10 anos estudando, se profissionalizando… fez fisioterapia, medicina, se especializou em cardiologia, intensivista, transplante capilar… De uma hora pra outra, tudo termina num infarto no meio da tragédia que você foi ajudar no Rio Grande do Sul.

    Morrer é uma loucura. Te obrigada a sair da festa na melhor hora, sem se despedir de ninguém, sem ter um último abraço ou um último “te amo”. Dindo, meu amor, éramos tão iguais e nunca me imaginei escrevendo isso para você… para sempre serei sua filha, sua cópia!
    Eu te amo além da vida, com amor, sua filha do coração,
    Amanda.”

    *Sob supervisão de Bruno Laforé