Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Líderes mundiais se manifestam sobre ataque da Rússia à Ucrânia

    Após semanas de tensão, tropas russas iniciaram um ataque nas primeiras horas da madrugada desta quinta

    Ursula von der Leyen em pronunciamento nesta quinta-feira (24)
    Ursula von der Leyen em pronunciamento nesta quinta-feira (24) Reprodução/Twitter

    Da CNNda CNN

    Após semanas de tensão, a Rússia atacou a Ucrânia nas primeiras horas da madrugada desta quinta-feira (24). Uma operação militar nas regiões separatistas do leste ucraniano, explosões e sirenes foram ouvidas em várias cidades do país. Assista ao vivo no vídeo acima a cobertura especial da CNN.

    Autoridades da Ucrânia informaram dezenas de mortes e seis aviões russos destruídos. Na manhã desta quinta, longas filas se formaram nas principais avenidas de Kiev com moradores tentando deixar a região. Estações de metrô foram transformadas em bunkers. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, convocou a população para defender o país e disse que “cidadãos podem utilizar armas para defender território”.

    Em seu pronunciamento antes do ataque, Putin justificou a ação ao afirmar que a Rússia não poderia “tolerar ameaças da Ucrânia”. Putin recomendou aos soldados ucranianos que “larguem suas armas e voltem para casa”. O líder russo afirmou ainda que não aceitará nenhum tipo de interferência estrangeira.

    O chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, classificou os ataques como uma das “horas mais sombrias para a Europa” em quase 80 anos. “Estas estão entre as horas mais sombrias para a Europa desde o fim da Segunda Guerra Mundial”, disse o alto representante da UE.

    Leia o que os líderes disseram

    Continuo as negociações com os líderes. Recebi apoio do Emir do Catar @TamimBin Hamad. O mundo está conosco.

    Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia

     

     

    A Rússia sozinha é responsável pela morte e destruição que este ataque trará, e os Estados Unidos e seus aliados e parceiros responderão de forma unida e decisiva. O mundo responsabilizará a Rússia.

     

    Presidente Joe Biden, dos EUA

     

     

    As forças russas invadiram a Ucrânia, um país livre e soberano. Condenamos este ataque bárbaro e os argumentos cínicos usados para justificá-lo. Mais tarde, apresentaremos um pacote de sanções maciças e direcionadas.

    Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia

     

    A França condena veementemente a decisão da Rússia de declarar guerra à Ucrânia. A Rússia deve encerrar suas operações militares imediatamente.

    Presidente da França, Emmanuel Macron

     

     

    Condeno veementemente a ação militar da Rússia contra a Ucrânia. Vou reunir-me com o Ministro dos Negócios Estrangeiros, o Ministro da Defesa Nacional e o Chefe Supremo das Forças Armadas Nacionais (CEMGFA). Pedi também ao Presidente português uma reunião urgente do Conselho Superior da Defesa Nacional. Meus pensamentos estão com o povo ucraniano sob este ataque injustificado e lamentável.

    Primeiro Ministro de Portugal, António Costa

     

     

    O Governo de Espanha condena a agressão da Rússia contra a Ucrânia e manifesta a sua solidariedade com o Governo ucraniano e o seu povo. Permaneço em contato próximo com nossos parceiros e aliados na União Europeia e @NATO para coordenar nossa resposta.

    Pedro Sánchez, primeiro-ministro da Espanha

     

     

    Estou consternado com os terríveis acontecimentos na Ucrânia e falei com o Presidente Zelenskyy para discutir os próximos passos. O presidente Putin escolheu um caminho de derramamento de sangue e destruição ao lançar este ataque não provocado à Ucrânia. O Reino Unido e nossos aliados responderão de forma decisiva.

    Boris Johnson, primeiro-ministro inglês

     

    O Canadá condena – nos termos mais fortes possíveis – o flagrante ataque da Rússia à Ucrânia. Essas ações não provocadas são uma clara violação da soberania e integridade territorial da Ucrânia e das obrigações da Rússia sob o direito internacional e a Carta da ONU. O Canadá pede à Rússia que cesse imediatamente todas as ações hostis e provocativas contra a Ucrânia e retire todas as forças militares e procuradas do país. A soberania e a integridade territorial da Ucrânia devem ser respeitadas.

    Justin Trudeau, primeiro-ministro do Canadá

     

     

    Condeno veementemente o ataque militar da Rússia contra a #Ucrânia. Coloca em perigo milhões de pessoas inocentes e mina os fundamentos da ordem internacional. Cabe ao Ocidente agora responder adequadamente!

    Gitanas Nausėda, presidente da Lituânia