MP quer acesso a dados de Facebook e Google na investigação da morte de Marielle


Roberta Jansen, Estadão Conteúdo
14 de março de 2020 às 20:41
A ex-vereadora carioca Marielle Franco

A ex-vereadora carioca Marielle Franco

Foto: Divulgação
O maior entrave atualmente às investigações sobre o assassinato da vereadora do Rio Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes é a recusa de Google e Facebook em compartilharem informações sobre a movimentação online dos acusados do crime, informou o Ministério Público do Rio.

De acordo com a coordenadora do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco/MPRJ), Simone Sibilo, os dados sobre o PM reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Queiroz são cruciais para a continuidade das apurações e a descoberta dos mandantes do crime. Ambos estão presos desde março do ano passado.

"Nesse aspecto, de identificação dos possíveis autores, o maior empecilho é o acesso a informações do Google e do Facebook. Elas são vitais. Nós já a solicitamos e, hoje, nossos pedidos são alvos de mandados de segurança em análise no Superior Tribunal de Justiça", disse a promotora que, na última sexta-feira (13) se encontrou com familiares de Marielle e Anderson.

O assassinato ocorreu há dois anos, em 14 de março de 2018. Lessa e Queiroz estão presos desde 12 de março do ano passado, mas, até agora, não se chegou aos mandantes do crime nem aos motivos. A Promotoria informou que já ouviu mais de 200 pessoas na investigação. Os dois suspeitos serão levados a júri popular por decisão da Justiça, mas a data ainda não foi marcada.

Na manhã deste sábado (14), em entrevista à imprensa, parentes e amigos da vereadora assassinada também falaram sobre a importância desses dados para o prosseguimento das investigações.

"Um dos entraves às investigações apontados pelo Ministério Público são o acesso às informações telemáticas dos acusados requeridas", afirmou a diretora da Anistia Internacional no Brasil, Jurema Werneck, que apoia a família das vítimas e também esteve nas reuniões de sexta com o MP-RJ e o governador Wilson Witzel (PSC).

"O acesso às informações já tinha sido autorizado pelo Tribunal de Justiça do Rio, mas as empresas responsáveis recorreram e se recusam a dar essa informação. Um aspecto importante da fala da promotora é que essas informações são fundamentais para chegarmos a uma resposta sobre quem mandou matar Marielle e por quê."

A quebra de sigilo dos dados de navegação de Lessa e Élcio foi autorizada pelo juiz Gustavo Kalil, do 4º Tribunal do Júri, mas as duas empresas impetraram um mandado de segurança para impedir a divulgação das informações. O caso agora está sendo analisado pelo STJ.

As empresas dizem que estão apoiando as investigações e já ajudaram no acesso a muitos dados. Mas alegam que esses pedidos em especial são muito amplos, pouco específicos, e que para atendê-los seria necessário quebrar o sigilo de milhares de pessoas.

Em nota oficial, o Google informou: "não comentamos casos específicos. Gostaríamos de dizer que protegemos vigorosamente a privacidade dos nossos usuários ao mesmo tempo em que buscamos apoiar o importante trabalho das autoridades investigativas, desde que os pedidos sejam feitos respeitando preceitos constitucionais e legais".

A reportagem solicitou também posicionamento ao Facebook, que ainda não respondeu. O espaço está aberto para manifestação da empresa.

Segundo a família de Marielle e os representantes da Anistia Internacional, tanto os celulares encontrados com Lessa e Queiroz, quanto os celulares apreendidos com o ex-PM Adriano da Nóbrega, apontado como o chefe do braço armado da milícia e morto pela polícia baiana no último dia 9 de fevereiro, estão sendo periciados em busca de provas sobre eventuais mandantes do crime e os motivos.

'Lobo solitário'

Reportagem publicada neste sábado pelo jornal "O Globo" diz que a linha mais forte da investigação atualmente apontaria para um crime sem mandantes. Segundo o jornal, o PM reformado e miliciano Ronnie Lessa seria um "lobo solitário", movido pelo ódio político.

O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), que era amigo de Marielle e trabalhou durante anos com ela se mostrou, indignado com essa possibilidade. "Mandei uma cópia dessa reportagem para o chefe da Polícia Civil e outra para o MP com o recado: Não aceitamos essa tese, se entrarmos por ai vamos ter problemas", contou Freixo na manhã deste sábado ao jornal "O Estado de S.Paulo". "Lessa é um matador de aluguel que ficou rico trabalhando para políticos e depois de velho resolveu matar por ódio uma pessoa que ele nem conhecia? Essa é a coisa mais esdrúxula que já ouvi", disse.

A maior parte das manifestações públicas que marcariam neste sábado os dois anos do assassinato foram suspensas por conta da epidemia de coronavírus - que não recomenda grandes aglomerações de pessoas. Os organizadores pediram que a população preste homenagem aos mortos pendurando laços e flores amarelas em suas janelas. Também foram feitas homenagens nas redes sociais com a hashtag #JustiçaPorMarielleEAnderson.