Bolsonaro causa sofrimento, diz Haddad sobre estímulo a atos em meio a pandemia


Daniela Lima
Por Daniela Lima, CNN  
15 de março de 2020 às 18:50 | Atualizado 15 de março de 2020 às 19:05

Bolsonaro cumprimenta apoiadores em frente do Palácio do Planalto

Bolsonaro quebra quarentena e cumprimenta apoiadores em frente do Palácio do Planalto

Foto: Adriano Machado/Reuters (15.mar.2020)

Adversário de Jair Bolsonaro nas eleições de 2018, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT-SP), condenou a decisão do presidente de estimular e participar de atos em defesa do governo dele neste domingo (15), em meio à pandemia do novo coronavírus.

À CNN Brasil, Haddad disse que Bolsonaro "é um homem, uma pessoa que causa sofrimento em qualquer circunstância". "É patológico."

Para o petista, dizer que o estímulo do presidente a aglomerações em meio à pandemia foi "irresponsável é pouco".

O Congresso e o Supremo Tribunal Federal foram os principais alvos dos protestos deste domingo. 
Bonecos do ex-presidente Lula, que é aliado e padrinho político de Haddad, vestido de presidiário também foram exibidos.

Aliados do presidente justificaram o comparecimento dele aos protestos e minimizaram os riscos relacionados ao novo coronavírus. O deputado Marco Feliciano (sem partido-SP) disse que Bolsonaro não tinha opção a não ser "apoiar quem o apoia" e que o desestímulo a aglomerações é "mimimi".

"Quarta-feira (11) mais de 60 mil pessoas assistiram Flamengo contra Barcelona de Guayaquil no Maracanã. Ninguém falou nada! Todo dia metrô e trens de São Paulo e de outras capitais estão abarrotado de gente (...), ninguém diz nada. E agora vem esse mimimi por causa de manifestações a céu aberto e com ar corrente?", indagou.