Maia sobre MP 927: 'O que conversamos diverge do que está publicado'


Noeli Menezes Da CNN, em Brasília
23 de março de 2020 às 13:21 | Atualizado 23 de março de 2020 às 13:23
O deputado Rodrigo Maia, presidente da Câmara, no Encontro Anual Educação Já, ne

Rodrigo Maia, presidente da Câmara, em evento: o deputado afirma que equipe econômica do governo publicou MP diferente do que foi acordado com Parlamento  (9.mar.2020)

Foto: Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que a Medida Provisória 927, que permite a suspensão dos contratos de trabalho por quatro meses, não condiz com o que o foi acordado com o Parlamento.

“Em algum lugar, na burocracia, tiraram uma parte da MP. O que nós conversamos com a equipe econômica diverge do que está publicado. Claro que tratar de suspensão de contrato de trabalho tem de estar vinculado a uma solução", afirmou em uma live ao lado do CEO do BTG Pactual, Eduardo Guardia. "O governo estava estudando isso ontem."

"O governo também tinha anunciado que nessa MP viria a redução de 50% dos salários, com o governo pagando 25% do salário de quem ganha até dois salários-míninos. Isso está na exposição de motivos da MP, mas sumiu no texto."

De acordo com o deputado, a ação criou uma "crise desnecessária, uma insegurança sobre as relações de trabalho". "A MP criou pânico na sociedade sobre a situação do emprego", diz Maia, que afirma ter conversado com a equipe econômica do governo para que outra Medida Provisória seja publicada o quanto antes.