Após 4 anos preso, ex-senador Luiz Estêvão vai para prisão domiciliar

Político foi condenado a 26 anos de prisão por fraudes na construção do Tribunal Regional do Trabalho de SP

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
24 de março de 2020 às 16:27 | Atualizado 24 de março de 2020 às 17:01
Ex-senador Luiz Estevão; condenado em 2006 pelo escândalo das obras do TRT - SP
Foto: José Cruz/Agência Senado

O ex-senador Luiz Estêvão, do DF, ganhou autorização de deixar a prisão, após 4 anos preso. O Superior Tribunal de Justiça entendeu que ele pertence a altíssimo grupo de risco com quadro clínico que indica para possível infecção pelo coronavírus.

A decisão foi do ministro Rogério Schietti Cruz, relator do caso de Luiz Estêvão no STJ. Ele atendeu a um pedido de habeas corpus movido pelos advogados do ex-senador. No pedido, a defesa alega que o político é “idoso, hipertenso, pré-diabético e com problemas cardiovasculares”. 

Ele irá para prisão domiciliar temporária até que receba um diagnóstico sobre os reais riscos para a sua saúde. O pedido inicial da defesa era mais amplo, pretendia que Luiz Estevão ficasse preso em casa até o final do período de pandemia atestado pelas autoridades públicas. De acordo os advogados, “evitando, com isso, a sobrecarga do sistema penitenciário e do sistema público de saúde”.

Luiz Estêvão foi condenado a 26 anos de prisão por fraudes na construção do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo. Ele está preso deade março de 2016. A Justiça do Distrito Federal já havia autorizado que ele cumprisse o restante da pena em liberdade a partir de 2021.