'Coronavoucher' vai subir para R$ 600


Renata Agostini
Por Renata Agostini, CNN  
26 de março de 2020 às 19:43 | Atualizado 26 de março de 2020 às 20:29
Relator da proposta do 'coronavoucher', o deputado federal Marcelo Aro (PP-MG),

Relator da proposta do 'coronavoucher', o deputado federal Marcelo Aro (PP-MG), fala à CNN

Foto: CNN (26.mar.2020)

O governo e o Congresso chegaram a um acordo e o valor do “coronavoucher”, auxílio a trabalhadores informais durante a crise, vai subir para R$ 600,00. 

A informação foi dada há pouco na sessão de votação virtual da Câmara dos Deputados por Marcelo Aro, relator do projeto que vai estabelecer o novo benefício. 

A equipe econômica propôs inicialmente um benefício de R$ 200 por mês e, para isso, calculou que iria gastar R$ 15 bilhões com a medida. Os líderes entenderam que o valor era baixo. 

Partidos de esquerda e do centrão diziam que não iriam aprovar caso o valor fosse inferior a R$ 500. 

As votações na Câmara estão ocorrendo por consenso, por isso, era essencial que todos os líderes concordassem com o novo valor.

A equipe econômica, porém, resistia ao valor, porque significaria um acréscimo expressivo no desembolso do governo. 

O presidente Jair Bolsonaro, porém, decidiu orientar sua equipe a dar aval a novo aumento no benefício, que tem forte apelo popular. 

“Talvez passe para R$ 600. Conversei com o Paulo Guedes ontem e estamos vendo”, disse o presidente na tarde desta quinta-feira (26).

Com o valor de R$ 600 no coronavoucher, o desembolso do governo deve subir para R$ 45 bilhões com a medida.