DEM dá diretório em Campo Grande a Mandetta e afasta candidato pró-Bolsonaro

Objetivo foi incluir no comando local da legenda uma comissão executiva majoritariamente alinhada ao ministro

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
13 de abril de 2020 às 09:24
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, entre o secretário-executivo João Gabbardo e o diretor de logística, Roberto Dias
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A pedido do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, a direção nacional do DEM fez uma intervenção no diretório municipal de Campo Grande, seu reduto eleitoral. O objetivo foi incluir no comando local da legenda uma comissão executiva majoritariamente alinhada ao ministro. E, consequentemente, favorável a apoiar a candidatura à reeleição do primo de Mandetta e prefeito da capital sul-matogrossense, Marquinhos Trad, do PSD. 

O comando anterior discutia  a possibilidade de apoiar o deputado estadual Coronel David, do PSL, defensor do presidente Jair Bolsonaro e que discutia a migração para o DEM. Uma das entusiastas da candidatura de David era a ministra da Agricultura, Tereza Cristina. 

Apesar de integrarem o mesmo partido, Mandetta e Cristina não fazem parte do mesmo grupo político no Mato Grosso do Sul. O DEM local é dividido em pelo menos quatro grupos. Além de ambos, há ainda o vice-governador Murilo Zauith e o deputado estadual José Teixeira. Uma acordo antes da crise do  coronavírus fez com que os dois ministros de Bolsonaro dividissem os espaços no estado: Mandetta cuidaria da capital e Cristina do interior. O partido chegou a  crescer: passou, por exemplo, de três para 11 prefeitos. 

Mas conforme o coronavírus avançou no país, Mandetta ficou mais em Brasília, o que permitiu uma articulação no DEM de Campo Grande para formar  uma chapa que representasse os quatro grupos políticos da sigla. Mandetta se incomodou e reclamou ao presidente nacional do DEM, ACM Neto, que acabou por fazer uma intervenção e permitir que o comando do DEM na cidade fosse entregue a aliados de Mandetta. Incensado pela crise do coronavírus no país, acabou conseguindo sem maiores problemas.  

O ministro defende a candidatura à reeleição de Trad, família que é protagonista na política local. Além do prefeito, o clã tem  o senador Nelsinho e o deputado Fabio. Todos são primos de Mandetta. Foi na gestão de Nelsinho em 2005 que Mandetta entrou na política, como secretário municipal de Saúde.

Marquinhos é favorito à reeleição. Impôs medidas alinhadas ao ministro na cidade nesta crise: restrição dura de circulação de pessoas. Ele também é peça-chave para eventuais voos maiores de Mandetta em 2022, como o governo do estado ou o Senado. Mas qualquer cenário é difícil. O estado é comandado alternadamente há tempos pelo MDB e PSDB e, para 2022, haverá apenas uma vaga para o Senado. Seu desempenho no coronavírus pode mudar isso.