Centrão fecha mapa de indicações e nomes passam por crivo 'anti-PT'


Renata Agostini
Por Renata Agostini, CNN  
21 de abril de 2020 às 13:26
congresso nacional

O Palácio Nereu Ramos, ou Palácio do Congresso Nacional, onde ficam as cúpulas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Os partidos do centrão fecharam o desenho do cargos a que terão direito no governo e o Palácio do Planalto faz agora uma pesquisa detalhada sobre os nomes que foram indicados por Progressistas, PL e Republicanos. 

O ponto central do pente-fino é buscar qualquer associação dos postulantes ao cargo com o PT. As siglas foram avisadas de que haverá pesquisa profunda na internet para saber se os indicados "seguem" alguém da oposição nas redes sociais ou se já doaram recursos para algum candidato do PT.

A indicação fez com que o centrão corresse para alertar seus indicados a fazer "uma limpa" em seus perfis na internet.

Pelo acerto discutido hoje (21) com o governo federal, o PL, de Valdemar Costa Neto, ficará com a presidência do Banco do Nordeste e a secretaria de vigilância em saúde no Ministério da Saúde.

O posto, comandado pelo secretário Wanderson Oliveira na gestão de Luiz Henrique Mandetta, é um dos mais estratégicos da pasta e central no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. 

Já o Progressistas, presidido pelo senador Ciro Nogueira, terá o direito a indicar a presidência do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e também do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs). O FNDE é um dos órgãos com maior orçamento do governo, cerca de R$ 50 bilhões, e controla a distribuição de recursos para Estados e municípios em diversos programas federais. 

Já o Republicanos, comandado pelo deputado Marcos Pereira, ganhará uma secretaria no Ministério de Desenvolvimento Regional, pasta chefiada hoje por Rogério Marinho. O ministério é central na organização da distribuição de recursos para diversos municípios e sempre bastante cobiçado por partidos, interessados em agradar prefeitos aliados.

Líderes afirmam que o desenho final da distribuição de cargos ainda pode sofrer alguma alteração. Mas o acerto é tido como em fase final. Houve sinalização em reunião na segunda-feira (20) entre representantes do grupo e integrantes do Palácio do Planalto que a confirmação final do acordo e o aval final aos nomes ocorrerá ainda nesta semana.

PL, Progressistas e Republicanos estão negociando em conjunto e fizeram um acordo para que haja distribuição entre eles de cargos dos órgãos que irão controlar. A ideia ainda é que haja um compromisso dos indicados ao comando das instituições de atender com a mesma dedicação os pedidos do partido que patrocinou a indicação e dos demais aliados do bloco.

Ao PSD, de Gilberto Kassab, foi prometida o controle daFundação Nacional de Saúde (Funasa). Mas esse acerto foi feito diretamente entre a sigla e o Palácio do Planalto.

Em troca, o grupo promete atuar de forma mais favorável ao governo em votações na Câmara dos Deputados. Líderes dizem, porém, que não haverá um alinhamento automático. Mas que o presidente e seus ministros terão de abrir diálogo a partir de agora e debater os assuntos que serão votados.

0