PGR pede que STF abra inquérito para apurar falas de Moro

Objetivo é apura os fatos narrados pelo ex-ministro Sergio Moro e também suas declarações

Gabriela Coelho e Caio Junqueira, da CNN, em Brasília
24 de abril de 2020 às 17:12 | Atualizado 24 de abril de 2020 às 17:55
O procurador-geral da República Augusto Aras
Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil(02.out.2020)

O procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (24) a abertura de um inquérito para apurar os fatos narrados e as declarações feitas pelo então ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro

  Leia também:

  Sergio Moro pede demissão e acusa Bolsonaro de interferência na PF

  'A pedido', Bolsonaro exonera Maurício Valeixo, diretor-geral da PF

  'Presidente não me quer no cargo': as principais frases da demissão de Moro

  Saída de Moro arrefece esforço de transformação do Brasil, diz Barroso

Entre as providências, o procurador-geral solicita ao Supremo a oitiva de Sergio Moro em razão da abertura do inquérito.

“A dimensão dos episódios narrados revela a declaração de Ministro de Estado de atos que revelariam a prática de ilícitos, imputando a sua prática ao Presidente da República, o que, de outra sorte, poderia caracterizar igualmente o crime de denunciação caluniosa”, aponta o procurador-geral.

Na peça apresentada, o PGR diz: "Dos fatos noticiados, vislumbra-se, em tese, a tipificação de delitos como os de falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução de Justiça, corrupção passiva privilegiada, denunciação caluniosa, além de crimes contra a honra".

Aras indica que Moro apresente "documentação idônea que eventualmente possua acerca dos eventos em questão".