Veja a íntegra do pronunciamento de Bolsonaro após demissão de Moro


Da CNN, em São Paulo
24 de abril de 2020 às 20:01 | Atualizado 24 de abril de 2020 às 20:05

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez um pronunciamento de mais de 40 minutos no fim da tarde desta sexta-feira (24), em Brasília, para rebater as acusações feitas por Sergio Moro quando pediu demissão do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Segundo Bolsonaro, Moro condicionou uma troca no comando da Polícia Federal a uma indicação para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). No segundo semestre, o decano da corte, ministro Celso de Mello, será aposentado compulsoriamente por idade.

"Mais de uma vez, o senhor Sergio Moro disse para mim: Você pode trocar o Valeixo sim, mas em novembro, depois que você me indicar para o Supremo Tribunal Federal", afirmou o presidente.

Leia também:

Bolsonaro escolhe Alexandre Ramagem, diretor da Abin, para comandar a PF

Moro teria mensagens e áudios para sustentar acusações feitas a Bolsonaro

Moro negou esta versão. "A permanência do Diretor Geral da PF, Maurício Valeixo, nunca foi utilizada como moeda de troca para minha nomeação para o STF. Aliás, se fosse esse o meu objetivo, teria concordado ontem com a substituição do Diretor Geral da PF", escreveu o ex-ministro no Twitter.

Bolsonaro disse que Moro afirmou durante reunião que só aceitaria a saída do diretor da PF caso pudesse indicar o substituto e não acatar um nome escolhido pelo presidente. "Eu não preciso pedir autorização para trocar ninguém", disse Bolsonaro.

Após a saída de Valeixo, Moro pediu demissão do cargo e acusou o presidente de tentar realizar interferências políticas na corporação -- o que Bolsonaro negou.

"Não são verdadeiras as insinuações de que eu desejaria saber sobre investigações em andamento. Nos quase 16 meses em que esteve à frente do Ministério da Justiça, o senhor Sergio Moro sabe que jamais lhe procurei para inteferir nas investigações que estavam sendo realizadas", declarou o presidente.