Jair Bolsonaro defende escolha de Ramagem para a Polícia Federal: 'E daí?'

Presidente usou as redes sociais para rebater acusação de que decisão foi baseada por amizade com sua família

Da CNN, em São Paulo
26 de abril de 2020 às 18:01

Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu nas redes sociais o nome de Alexandre Ramagem para a direção da Polícia Federal. Neste domingo (26), ele respondeu a uma seguidora após ser questionado sobre a proximidade de Ramagem com sua família - ele é amigo de Carlos Bolsonaro.

"E daí? Antes de conhecer meus filhos eu conheci o Ramagem. Por isso deve ser vetado? Devo escolher alguém amigo de quem?", questionou o presidente.

Bolsonaro escolheu o atual diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para comandar a Polícia Federal, substituindo Maurício Valeixo, exonerado na manhã de sexta-feira (24), em decisão que provocou o pedido de demissão do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

O novo diretor-geral da PF é um nome próximo ao presidente Bolsonaro, tendo participado da sua escolta pessoal durante a campanha eleitoral de 2018.

Interferência política

Durante o anúncio do seu pedido de demissão, Sergio Moro acusou o presidente de desejar interferir politicamente no trabalho da Polícia Federal, dizendo que Bolsonaro gostaria de ter uma relação mais próxima com as pessoas nomeadas para a entidade, como alguém que “que ele pudesse ligar, que ele pudesse colher informações, que ele pudesse recolher relatórios de inteligência”. "Eu disse que seria uma interferência política. Ele disse que era mesmo".

Em resposta ao ex-ministro, Bolsonaro afirmou que não pediu para acessar investigações nem para a proteção de pessoas e que sua intenção era ter uma pessoa mais próxima para receber informações periódicas. Ele também cobrou o andamento da investigação a respeito da facada que sofreu quando ainda era candidato à Presidência, em 2018.