Decisão contra nomeação de Bolsonaro na PF levanta chance de nova indicação

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
29 de abril de 2020 às 12:01
Alexandre Ramagem durante solenidade em que foi empossado na direção da Agência Brasileira de Inteligência (Abin)
Foto: Valter Campanato - 11.jul.2019/ ABr

Após a decisão que suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem, na direção-geral da a PF, policiais federais passaram a ver a substituição do nome do indicado como única alternativa para restabelecer a estabilidade da instituição. 

A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) falou em "apreensão" e "preocupação" dentro da PF com a demora em voltar a ter um diretor titular no cargo. "Os polícias federais receberam com preocupação essa decisão. É mais uma preocupação. A busca era de já ter uma estabilidade, a partir de hoje, voltar ao nosso funcionamento normal, as questões contra corrupção, crime organizado, as questões administrativas também", afirmou Luís Antônio Boudens, presidente da Federação, à coluna.

Entre as preocupações, a entidade aponta que também policiais federais estão sendo vítimas do coronavírus. "Vamos aguardar uma possível reversão judicial, também não descartamos que o presidente opte por um novo nome. Há bons nomes na polícia federal para esse cargo de diretor-geral", disse.

"Confiamos na Justiça, que seja rápida para que a Polícia Federal volte a funcionar de maneira adequada, habitual". 

Peritos e delegados com quem a CNN conversou também demonstraram preocupação com o processo de indicação do novo diretor-geral se arrastar e fomentar uma batalha judicial trazendo constrangimento à instituição.

Como a coluna informou, as entidades de representação das carreiras da PF haviam decidido dar um voto de confiança a Ramagem, com o compromisso de assegurar a imagem da corporação. Mas a disputa judicial pelo nome do indicado atrapalha os planos. O governo já anunciou que irá recorrer da decisão. Mas os partidos de oposição também irão insistir, caso a nomeação volte a valer.