Clima de fritura na secretaria de Regina Duarte

Além de Dante Mantovani - renomeado presidente da Funarte nesta terça -, outro crítico da atriz, Sérgio Camargo, está no comando da Fundação Palmares

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
05 de maio de 2020 às 05:53 | Atualizado 05 de maio de 2020 às 07:54

A renomeação de Dante Mantovani como presidente da Funarte mostra que a secretária especial da Cultura, Regina Duarte, não tem controle das fundações ligadas à área. A Funarte é responsável pelas políticas públicas de incentivo ao circo, teatro, à dança e música. Além de Mantovani, outro crítico da atriz, Sérgio Camargo, está no comando da Fundação Palmares.

Ambos acusam Regina por ter diálogo com pessoas de esquerda. Regina Duarte desembarcou em Brasília para ter um encontro com o presidente Jair Bolsonaro nesta semana.

Ela estava em São Paulo, seguindo a orientação de isolamento social contra o novo coronavírus. Mas voltou à capital federal após Bolsonaro reclamar da dificuldade em conversar com Regina. Questionado sobre a permanência da atriz do governo, ele respondeu: “Quem disse que sai? Eu queria que ela estivesse em Brasília pra conversar mais com ela”.

A assessoria de imprensa da secretaria de Cultura negou que exista um processo de fritura. Auxiliares de Regina avaliam que a declaração de Bolsonaro foi de apoio à secretária.

Regina Duarte também tem sido criticada pela classe artística por não se manifestar publicamente sobre mortes recentes de artistas como o ator Flávio Migliaccio e o compositor Aldir Blanc. A assessoria da secretaria informou que a atriz enviou mensagens para as famílias e que considera a morte um momento íntimo.