‘Mentira deslavada’, diz Bolsonaro sobre acusações de Moro


Da CNN em São Paulo
05 de maio de 2020 às 17:54 | Atualizado 05 de maio de 2020 às 19:24

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta terça-feira (5) que as declarações contidas no depoimento do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro são uma “mentira deslavada”. A CNN obteve o depoimento do ex-juiz à Polícia Federal com exclusividade.

Bolsonaro também mostrou mais um trecho de sua conversa com Moro no WhatsApp para rebater o ex-juiz. Segundo o presidente, Moro afirmou se tratar de “fofoca” a notícia de que a Polícia Federal 'estaria na cola de 10 a 12 deputados bolsonaristas'.

Sobre o depoimento, Bolsonaro negou ter solicitado relatório de inquérito da PF ao ex-ministro. "Quero rebater duas questões. Primeiro, em nenhum momento eu pedi relatório de inquérito. Isso é mentira deslavada. Tenho até vergonha de falar isso. Ele disse que eu pedi numa reunião de ministro. Numa reunião de ministro eu iria pedir algo ilegal? Eu não peço ilegal nem individualmente, quem dirá de forma coletiva", declarou.

Após a declaração, o presidente pegou seu telefone celular para mostrar mais uma parte de sua conversa com Moro no WhatsApp (veja no vídeo). Bolsonaro confirmou a autenticidade das informações divulgadas pelo ex-ministro, mas disse que, no dia anterior, o próprio Moro havia dito que uma investigação no Supremo sobre deputados bolsonaristas seria “fofoca”.

"Agora eu quero mostrar uma prova, quando eu falei que era fofoca. Me sinto até chateado em fazer isso, é uma coisa particular, mas como lamentavelmente o senhor Sergio Moro mostrou o telefone dele, vou mostrar uma parte apenas. Isso daqui foi mostrado (por ele) nas televisões (PF na cola de 10 a 12 deputados bolsonaristas), link do Antagonista, embaixo escrevi para ele 'mais um motivo para troca'. Isso foi uma prova de interferência minha na PF segundo o Sérgio Moro, dia 23 de abril”, disse Bolsonaro, antes de mostrar outro trecho.

“Agora vou trazer para o dia anterior. O mesmo link, porque isso foi no dia anterior, em verde eu mandei, em branco ele mandou. Ele começa, ‘isso é fofoca’. O Moro diz isso é fofoca. Ele tem informação privilegiada. Se isso é fofoca ele diz que esse inquérito que existe no Supremo não tem nome de deputado federal nenhum e nem de Carlos Bolsonaro. Ele diz isso.”

Bolsonaro ainda falou que irá ler o depoimento de Moro antes de falar outros tópicos. “Quero ler as 10 páginas com atenção. A Advocacia Geral da União vai me defender, não tenho dinheiro vivo. Ganho em torno de R$ 23 mil líquidos por mês, não dá para pagar advogado da Lava-Jato”.

Interferência na Polícia Federal


Bolsonaro negou que a troca no comando da Polícia Federal tenha sido por motivos políticos. “Assumiu o senhor (Rolando) Alexandre (de Souza). Ele tem independência e convidou o superintendente do Rio (Carlos Henrique Oliveira) para ser executivo. Vai ser 'zero dois' da polícia. Me acusam de ter colocado um amigo do (Alexandre) Ramagem para que eu possa interferir. Segundo a imprensa ele estaria convidando um desafeto para ser o zero dois. Não tem cabimento”.