PF recebe vídeo de reunião apontada por Moro em acusação contra Bolsonaro

Imagens serão exibidas aos envolvidos em inquérito nesta terça-feira

Da CNN, em São Paulo
11 de maio de 2020 às 18:30 | Atualizado 11 de maio de 2020 às 18:43
O presidente Jair Bolsonaro e ex-ministro da Justiça Sergio Moro
O presidente Jair Bolsonaro e ex-ministro da Justiça Sergio Moro
Foto: Adriano Machado/Reuters (18.dez.2019)

A Polícia Federal recebeu nesta segunda-feira (11) a gravação de uma reunião ministerial realizada no Palácio do Planalto, que, segundo o ex-ministro Sergio Moro, o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir de forma indevida nas atividades da Polícia Federal (PF). O vídeo será exibido nesta terça-feira.

O envio das imagens à PF foi determinado pelo ministro Celso de Mello, relator de um inquérito instaurado para apurar as denúncias feitas por Moro quando anunciou sua demissão do Ministério da Justiça. Segundo a decisão, as partes indicadas terão acesso à gravação em exibição única.

Embora sua presença não tenha sido exigida, Moro irá acompanhar a exibição por orientação de seus advogados. Também estarão presentes o advogado-geral da União, o ministro José Levi Mello do Amaral, representantes da Procuradoria Geral da República e os delegados da PF que acompanham o caso.

Leia e assista também

Vídeo de reunião ministerial será exibido na terça; Moro irá a Brasília

Celso de Mello autoriza que PGR assista ao vídeo de reunião ministerial

AGU pede a Celso de Mello para entregar vídeo com apenas parte de Sergio Moro

Na última sexta-feira, o ministro Celso de Mello determinou o sigilo temporário do material, até pronunciamento do procurador-geral da República Augusto Aras. Segundo a Advocacia-Geral da União, que pediu o sigilo integral, na reunião “foram tratados assuntos potencialmente sensíveis e reservados de Estado, inclusive de relações exteriores e, por isso, o vídeo deveria ser sigiloso”.

Segundo Celso, caso seja necessário ouvir novamente  as testemunhas após conhecimento do que se passou na reunião ministerial, fica autorizado que a Polícia Federal faça nova audiência. "Registro que decidirei, brevissimamente, em momento oportuno, sobre a divulgação, total ou parcial, dos registros audiovisuais contidos na mídia digital em questão”, afirmou o ministro.