Bolsonaro não disse que demitiria Moro mas Augusto Heleno, afirma Planalto

A versão dos acontecimentos consta no depoimento do ministro-chefe da Secretaria de Governo, o general Luiz Eduardo Ramos

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN   Da CNN, em São Paulo
13 de maio de 2020 às 10:01

O Planalto centra esforços na defesa de que o presidente Jair Bolsonaro foi mal interpretado no encontro com ministros, entre eles, Sérgio Moro, o que agora é objeto de investigação. 

De acordo com ministros, Bolsonaro pediu para trocar o chefe de sua segurança pessoal e, em caso contrário, ele trocaria o ministro responsável pela área. Neste caso, Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e não o ministro da Justiça, Sérgio Moro, já que a segurança do presidente não diz respeito à Polícia Federal.

Exatamente essa versão, do que Bolsonaro quis dizer, consta no depoimento do ministro da Secretaria de Governo, Luís Eduardo Ramos, de acordo com interlocutores do Planalto com quem a CNN conversou.

Leia também:

Ramos diz que não houve disputa entre Moro e Bolsonaro, mas “divergência”
Celso de Mello autoriza degravação de vídeo de reunião e posterior perícia

A divulgação de trechos dos depoimentos incomodou ministros, que passaram a defender a divulgação desse trecho da reunião. A ideia deles é que Bolsonaro avalie publicar isso antes mesmo da Justiça tomar uma decisão. 

No depoimento, Ramos apontou para os investigadores a diferença, que ele compreende existir, entre as palavras "intervir" e "interferir". Bolsonaro, de acordo com o ministro, afirmou que queria "interferir" em todos os ministérios e que isso não significaria "intervir", pedir a troca do comando da Polícia Federal.

Ao listar os nomes de órgãos públicos, na reunião em abril, Bolsonaro fala da PF, de acordo com o relato de ministros. Também diz que não estava satisfeito com a segurança no Rio de Janeiro, momento em que é específico ao citar o nome do estado. Para os ministros ouvidos pela investigação, não houve vinculação com a superintencia da Polícia Federal no Rio.

A defesa de Moro interpretou de outra forma. Para advogados dele, a gravação confirma integralmente as declarações do ex-ministro e mostram interferência.