Centrão racha e líderes brigam após retirada de MP de pauta


Daniela Lima
Por Daniela Lima, CNN  
13 de maio de 2020 às 11:53 | Atualizado 13 de maio de 2020 às 13:59
Jair Bolsonaro e Arthur Lira

Bolsonaro com o líder do PP na Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL): o parlamentar saiu do grupo de WhatsApp com dirigentes de partidos após defender MP do governo

Foto: Reprodução

A retirada de pauta da medida provisória de regulamentação fundiária, a MP 910, deflagrou forte desentendimento entre líderes de partidos de centro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. 

O líder do PP, Arthur Lira (PP-AL), chegou a sair do grupo de WhatsApp que congrega líderes de partidos em protesto à retirada da medida provisória de pauta. Ele deixou a rede fazendo fortes críticas a Maia e ao líder do MDB, Baleia Rossi (MDB-SP).

Baleia propôs a apresentação de um projeto de lei sobre o tema, para diminuir a resistência da oposição à medida provisória. Maia sinalizou positivamente e retirou a MP da pauta de votações. Lira, então, disse que o presidente da Câmara havia rompido um acordo firmado com os partidos de centro e, em protesto, deixou o grupo prometendo desmobilizar a adesão de outros líderes a reuniões que tentem refazer o acordo. 

O conflito entre Lira, Maia e Baleia ocorre em meio à aproximação de partidos de centro com o presidente Jair Bolsonaro, com o PP na linha de frente.

Leia também:
Após negociar cargos com centrão, governo articula pauta de votações até junho
Políticos do PSL divergem sobre aliança do presidente Bolsonaro com o Centrão
Centrão, Maia e militares se unem contra Weintraub

Lira é um dos deputados que se movimenta para suceder Maia na presidência da Câmara e, com o conflito, pode acirrar o racha entre essas siglas e o presidente da Câmara, num momento em que Maia está distante de Bolsonaro.

A MP 910 encontra forte resistência em setores da sociedade e é chamada de “MP da grilagem” pela oposição. 

O relator do texto garantiu aos líderes que modificou os trechos mais problemáticos, protegendo terras indígenas e quilombolas, por exemplo, mas não convenceu a oposição. 

Daí a ideia de Baleia de oferecer um projeto de lei, gestado na própria Câmara, como alternativa.