Defesa de Moro quis levar discussão penal para o lado político, diz Zambelli

Segundo a deputada federal, o ex-ministro da Justiça a bloqueou no WhatsApp

Da CNN, em São Paulo
14 de maio de 2020 às 16:35 | Atualizado 14 de maio de 2020 às 16:47

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) disse nesta quinta-feira (14) a jornalistas que o ex-ministro da Justiça Sergio Moro a bloqueou no WhatsApp e afirmou que, durante seu depoimento, os advogados de defesa do ex-juiz estavam mais empenhados em levar a discussão penal para o lado político. Segundo ela, por isso, chegou a ser dispensada de algumas perguntas por parte dos delegados.

A parlamentar depôs ontem na sede da Polícia Federal, em Brasília, dentro do inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) que investiga suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na troca do comando da PF. 

Leia também:

Zambelli nega ter citado vaga no STF para Moro aceitar Ramagem na PF

Moro é cauteloso por saber que deveria ter acusado Bolsonaro antes, diz advogado

A deputada ainda mostrou à imprensa sua última conversa com Moro, que segundo o registro exibido aconteceu 20 minutos antes do pedido de demissão do ex-ministro, no dia 24 de abril.  

Na mensagem, a deputada pede para conversar com Moro, afirma que foi um pedido do Planalto, mas que não falava como parlamentar, mas como uma admiradora.

Em outra mensagem, ela diz a Moro: "Tudo o que os criminosos querem é a sua saída, não dê esse gosto a eles, por favor".

O ex-ministro respondeu: "se o PR [presidente da República] anular o decreto de exoneração, ok", referindo-se à exoneração de Maurício Valeixo, ex-diretor-geral da PF. Valeixo foi escolhido por Moro para o cargo.