Governadores rebatem fala de Bolsonaro: 'Se não sabe o que fazer, renuncie'

Flávio Dino (MA), João Doria (SP) e Renato Casagrande (ES) responderam às críticas do presidente sobre medidas de contenção da Covid-19

Da CNN, em São Paulo
14 de maio de 2020 às 17:19
O presidente Jair Bolsonaro fala a jornalistas na saída do Palácio do Alvorada
Foto: CNN (14.mai.2020)

Os governadores Flávio Dino (PCdoB-MA), João Doria (PSDB-SP) e Renato Casagrande (PSB-ES) se manifestaram nas redes sociais nesta quinta-feira (14) contra as críticas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a medidas de contenção da Covid-19, que classificou como "absurdas".

Leia também:

Bolsonaro: 'Brasil está se tornando país de pobres'

Bolsonaro promete reduzir tributos e pede que empresários lutem contra Doria

"Se a crise econômica fosse causada pelos governadores, por que ela existe em outros países?", questionou Dino. "A responsabilidade da gestão econômica é dele [Bolsonaro]. Se não sabe o que fazer, renuncie".

 

Doria disse que o presidente deixa de defender a saúde para atacar quem está trabalhando para proteger vidas. O governador paulista pediu também que o presidente "acorde para a realidade". "Saia da bolha de ódio e comece a ser um líder. Se for capaz", completou.

 

Casagrande disse que, ao alimentar o enfrentamento, o presidente dificulta ainda mais o trabalho durante a pandemia. "O diálogo sincero é o único caminho para, prioritariamente, preservarmos vidas e também empregos", escreveu. 

 

Sem citar o episódio, Rui Costa (PT-BA) e Ronaldo Caiado (MDB-GO) também publicaram mensagens nesse sentido.

"Lamento a ganância de alguns, mas não vou desistir de tentar construir uma convergência", escreveu Caiado.

 

Costa disse que não administraria o estado pelas redes sociais e que trabalharia para salvar vidas. "Nem tentem me intimidar. Medo não faz parte do meu dicionário", declarou.

 

A fala de Bolsonaro

Nesta manhã, no Palácio da Alvorada, Bolsonaro defendeu a volta ao trabalho e disse que governadores e prefeitos que adotaram medidas de contenção deveriam se desculpar.

"Governador e prefeito que, por ventura, entre nessa onda, faça como eu já fiz algumas vezes na vida: se desculpa e foca em fazer a coisa certa", afirmou.

Ele pediu que os gestores locais revissem as políticas e que estaria pronto para conversar.

"Vamos preservar vidas, vamos. Mas o preço lá na frente serão centenas [de mortes] com essas medidas absurdas de fechar tudo", declarou.

De acordo com os dados do Ministério da Saúde divulgados ontem (13), o Brasil tem 188.974 casos confirmados e 13.149 mortes por Covid-19.