MPF abre investigação para apurar suposto vazamento da PF na Furna da Onça

Controle Externo da Atividade Policial instaurou procedimento investigatório criminal e pediu desarquivamento de inquérito policial sobre o caso

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
18 de maio de 2020 às 19:07 | Atualizado 18 de maio de 2020 às 19:22
O senador Flávio Bolsonaro (11.fev.2020)
Foto: Beto Barata/Agência Senado

O Controle Externo da Atividade Policial do Ministério Público Federal (MPF) instaurou procedimento investigatório criminal (PIC) para apurar supostos vazamentos da Policia Federal na Operação Furna da Onça, deflagrada em 2018. Além disso, o MPF requer à Justiça Federal o desarquivamento de inquérito policial (IPL) que apurou, à época, suspeitas de que informações privilegiadas foram vazadas. Na época, o caso foi arquivado após a própria PF ter relatado sem evidências de crime o IPL. 

Ao justificar o desarquivamento, o procurador da República Eduardo Benones argumenta que “há notícias de novas provas que demandam atividade investigatória”. O procurador refere-se declarações prestadas pelo empresário Paulo Marinho em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, no último fim de semana.

De acordo com a entrevista, Marinho afirmou que o hoje senador Flávio Bolsonaro, então deputado estadual, teria conhecimento prévio da operação e informações sobre movimentação atípica nas contas de Fabrício Queiroz, ex-assessor do parlamentar, que apontavam para a denominada "rachadinha", ou seja a retenção indevida, por assessores, de parte das gratificações recebidas por outros funcionários de gabinetes da própria Assembleia.

Leia também:

PGR pede que PF ouça suplente sobre acusação de vazamentos a Flávio Bolsonaro

PF vai investigar se houve vazamento de informações para Flávio Bolsonaro

Vídeo mostra Bolsonaro e Paulo Marinho com funcionárias da casa

"As investigações do controle externo visam descobrir se policiais federais vazaram informações sigilosas para privilegiar quem quer que seja. Caso fique comprovado qualquer vazamento, mesmo uma simples informações, os policiais responsáveis podem ser presos e até perder o cargo por improbidade", afirma o Coordenador do Controle Externo da Atividade Policial do MPF/RJ.

Para instruir o PIC, o MPF irá ouvir o empresário Paulo Marinho. Também será requisitada segurança dele antes e depois da oitiva.