PSB da Câmara dos Deputados vai à PGR contra general Augusto Heleno


Larissa Rodrigues, da CNN, em Brasília
22 de maio de 2020 às 16:40
O general Augusto Heleno

O general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O líder do PSB na Câmara dos Deputados, deputado Alessandro Molon (RJ), afirmou, na tarde desta sexta-feira (22), que vai entrar com uma representação na Procuradoria Geral da União (PGR) contra o chefe do Gabinete de Segurança Institucional, ministro Augusto Heleno. Segundo ele, a ação será com base na Lei de Segurança Nacional e por crime de responsabilidade.

Augusto Heleno disse que uma eventual apreensão do celular do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) "poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional". A resposta foi dada após o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviar para a Procuradoria-Geral da República (PGR) três notícias-crimes apresentadas por partidos políticos que pedem busca e apreensão de celulares do presidente.

Molon disse que vê “com imensa preocupação” que representantes do Poder Executivo estejam “usando seus cargos para ameaçar e intimidar os demais poderes da República, em especial o Poder Judiciário, sem qualquer apreço à democracia”.  

"A ameaça de golpe feita pelo General Heleno é um crime contra a segurança nacional. A democracia brasileira não pode se curvar neste momento, sob o risco de cruzarmos a última barreira que distingue a nossa democracia de um regime totalitário. É preciso frear os arroubos autoritários do governo Bolsonaro. Por isso, vamos representar contra o General Heleno, com base na Lei de Segurança Nacional".