Operação Placebo 'fragiliza' a Polícia Federal, avalia ex-AGU

Para Fábio Osório, a operação que corre em paralelo à investigação sobre suposta interferência política do presidente Bolsonaro não é boa para a instituição

Da CNN, em São Paulo
26 de maio de 2020 às 16:57

Em entrevista à CNN na tarde desta terça-feira (26), Fábio Medina Osório, ex-advogado-geral da União, avaliou a busca e apreensão da Polícia Federal na residência oficial do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), e na casa onde ele morava antes de ser eleito, no bairro do Grajaú. A Operação Placebo investiga desvio de dinheiro público da saúde durante a pandemia do novo coronavírus.

Na visão de Osório, a operação que ocorre em meio à investigação sobre uma suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na PF, por um lado, “fragiliza” a própria instituição.

Isso porque, segundo ele, os advogados dos investigados, no caso dos governadores, principalmente os adversários políticos do presidente Bolsonaro, entendem que possa haver interferência política na instituição, desvio de finalidades, desvio de poder, abuso de autoridade e, nas investigações, probidade de fiscalizadores para perseguir esses adversários, e isso não é bom. 

       Leia e assista também

      STJ aponta 'indício de participação ativa' de Witzel e envolve primeira-dama

      Decisão do STJ cita e-mail com pagamentos a mulher de Wilson Witzel

      Flávio Bolsonaro acusa Witzel de cometer desvios no RJ "há muito tempo"

“Acaba suscitando muita desconfiança da sociedade e fragilizando uma instituição que é um dos pilares do estado democrático de direito cuja autonomia deve ser fortalecida pela Constituição de 88 e governantes”, afirmou.

Em um pronunciamento realizado hoje, Witzel se defendeu a respeito da investigação e disse que é vítima de "perseguição política" e afirmou que o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) deveria estar preso.

O senador e filho do presidente Bolsonaro respondeu em live às acusações do governador fluminense. "Sua própria Polícia Civil do estado Rio de Janeiro iniciou uma investigação e no meio do caminho encontrou você", declarou Flávio, afirmando que a PF só se envolveu na questão graças ao foro privilegiado do político do PSC.