Suspeitas em ações contra Covid-19 mobilizam 6 operações da PF em menos de 1 mês

Desvios de pelo menos R$ 53 milhões é apurado no Amapá, Ceará, Pará e Rio de Janeiro até agora

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
26 de maio de 2020 às 13:43
Movimentação durante ação da Policia Federal de mandados de busca e apreensão na residência do governador Wilson Witzel, no bairro do Grajaú na cidade do Rio de Janeiro nesta terça-feira (26).
Foto: BÁRBARA DIAS/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO

Com a operação Placebo  que mirou hoje a casa do governador Wilson Witzel, a Polícia Federal já desencadeou seis operações, em menos de um mês, para investigar desvios de recursos em medidas de combate ao coronavírus. Houve ações no Amapá, Ceará, Pará e Rio de Janeiro até agora. Pelo menos, o desvio de R$ 53 milhões é apurado. O maior dano vem da compra superfaturada de respiradores, mas há também sob investigação contratos de equipamentos de proteção individual, de limpeza e o pagamento do auxílio emergial.

Antes de pedir demissão, o ministro da Justiça, Sergio Moro, determinou a Polícia Federal "apurar de forma implacável qualquer desvio de verba federal destinada ao combate do novo coronavirus", como disse no fim de abril .A Controladoria-Geral da União e o Ministério Público também fizeram parte de algumas dessas ações.

No dia 29 de abril, a Operação Vírus Infectio, no Amapá, apurou que o valor pago por equipamentos de proteção na área da saúde foi de aproximadamente R$ 930 mil, apesar da referência ser de quase R$ 291 mil, o que mostra que foram gastos cerca de R$ 639 mil a mais em relação aos preços médios praticados no mercado nacional.

Leia e assista também

Witzel é o alvo da Operação Placebo, confirmam fontes da PF

MP do RJ ajuiza ação contra o Estado por superfaturamento

A Operação Expurgo, no Amapá, ocorreu no dia 11 de maio. Apurou irregularidades e aplicação indevida de quase R$ 2 milhões na contratação sem licitação de uma empresa para ações de limpeza e desinfecção visando o combate à Covid-19.

A compra de 152 respiradores mecânicos chineses no Pará também está sendo investigada. O lote foi adquirido por R$ 25,2 milhões e foi objeto da Operação Profilaxia, no dia 13 de maio. Os equipamentos foram entregues pela empresa SKN do Brasil Importação e Exportação de Eletroeletrônicos mas não correspondem aos requisitos necessários para unidades de terapia intensiva (UTIs) do estado. Por isso, nem mesmo puderam ser instalados. De acordo com o governo paraense, o uso dos equipamentos pode colocar em risco os pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Dias depois, em 21 de maio, foi a vez da Operação Arrebol, em Aurora (CE), com foco em apurar crime eleitoral em pagamentos do auxílio emergencial.

Nesta segunda-feira (25/05), um dia antes da Placebo, houve a Operação Dispnéia - novamente uma ação sobre a compra de respiradores, só que em Fortaleza. A PF investiga a contratação de uma empresa paulista de "duvidosa capacidade técnica e financeira para entrega dos equipamentos", afirma a corporação. Além da ausência de capacidade técnica e financeira da empresa contratada, houve superfaturamento dos valores pagos pelos equipamentos, um potencial prejuízo financeiro de até R$ 25,4 milhões aos cofres públicos.