Bancadas da Câmara dos Deputados adiam definição sobre cancelamento das eleições

CNN ouviu 15 partidos e líderes da Casa ainda não decidiram sobre o futuro das eleições municipais marcadas para outubro

Larissa Rodrigues da CNN, em Brasília
29 de maio de 2020 às 19:25
Câmara dos Deputados, em Basília
Foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados

As principais bancadas partidárias da Câmara dos Deputados ainda não decidiram se vão apoiar ou não um possível cancelamento das eleições municipais marcadas para outubro deste ano. A CNN ouviu 15 partidos e líderes na Casa para fazer o levantamento. Isso significa que, apesar de muitos parlamentares estarem se posicionando sobre o assunto, o cancelamento ou adiamento do pleito ainda não foi debatido pelas legendas que têm o poder de determinar a maneira como os deputados votam.

O MDB, por exemplo, está conversando com seus deputados na tentativa de chegar a um consenso. O partido é um dos que mais têm prefeitos eleitos pelo Brasil. No entanto, parte da bancada quer o adiamento e outra parte não. Uma pesquisa interna deve ser feita nos próximos dias para depois ser decidido qual será o posicionamento da sigla.

Já o PT na Câmara afirma ser contra o cancelamento, mas estaria aberto a discutir um possível adiamento das eleições municipais caso a pandemia do coronavírus não esteja controlada até setembro. Se depender do partido, segundo parlamentares ouvidos pela reportagem, a decisão deve ser tomada apenas mais perto da data do pleito.

PP, PSL, Podemos, PSB, PSD, PSol e DEM ou não trataram do assunto entre seus deputados ou ainda não chegaram a um consenso sobre o tema.

No Democratas, enquanto o líder na Câmara, Efraim Filho (PB), admite um adiamento apenas até novembro, o deputado Carlos Henrique Gaguim (TO), que também é da legenda, faz campanha entre os correligionários para que a eleição não seja realizada este ano. À reportagem, Gaguim disse que votará contrário à recomendação da legenda caso a opinião de Efraim Filho permaneça.

No PSL, Joice Hasselmann (SP) disse ser a favor que as eleições ocorram no prazo previsto. “Porém, caso haja impedimento devido à saúde pública, que ela ocorra ainda este ano, no prazo mais próximo possível do original”, afirmou, em nota. Enquanto isso, a deputada Dayane Pimentel (BA) tem pregado o adiamento. “Nossa prioridade precisa ser o combate ao Covid19 neste momento”, disse.

No Podemos, o líder Léo Moraes (RO) vem tentando convencer seus colegas de partido de que é preciso adiar as eleições. Moraes vem criticando a decisão de líderes do Senado e da Câmara que tentam transferir para o segundo semestre o debate sobre a alteração do calendário eleitoral no país, devido à Covid-19. Para ele, trata-se de uma tentativa de prorrogar os mandatos municipais até 2022.

Já o PSDB, acredita ser difícil manter o prazo de outubro. Mas se diz “radicalmente contra” a possibilidade da prorrogação do mandato. “Unanimidade do PSDB entende que o adiamento é necessário”, afirmou o líder da legenda, Carlos Sampaio (SP). Essa é a mesma opinião do Solidariedade, Republicanos, Cidadania, Novo e PDT.