Celso de Mello encaminha à PGR notícia-crime contra Eduardo Bolsonaro

Advogado acusa deputado federal de atentar contra a segurança nacional ao cogitar que pai tome "medida enérgica" em crise institucional

Da CNN, em São Paulo
30 de maio de 2020 às 00:02
O deputado federal Eduardo Bolsonaro durante evento nos EUA (18.mar.2019)
Foto: Alan Santos/PR

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta sexta-feira (29) que a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifeste a respeito de uma notícia-crime apresentada contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

A ação foi apresentada à Corte pelo advogado Antonio Carlos Fernandes, que acusa o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) do crime de incitação à subversão da ordem política ou social, previsto na Lei de Segurança Nacional. 

Para o advogado, o parlamentar incitou contra a ordem durante uma entrevista ao canal "Terça Livre", em que levanta a possibilidade de "chegar ao ponto em que o presidente não tiver mais saída e for necessário uma medida enérgica". Eduardo Bolsonaro ainda teria, segundo o denunciante, dito que uma ruptura não seria mais "questão de 'se', mas de 'quando'".

O autor da notícia-crime ainda cita outra fala, em que o parlamentar diz que os manifestantes que protestam aos domingos em Brasília deixarão de protestar a favor do presidente Jair Bolsonaro para se colocarem contra o Supremo. O advogado Antonio Carlos Fernandes ainda relembra o episódio em que o deputado Eduardo Bolsonaro diz que "um cabo e um soldado" bastariam para "fechar" o STF.

Assista e leia também:

Em depoimento sobre ofensas a ministros do STF, Weintraub fica em silêncio

Governo tenta acordo com STF

TSE dá 3 dias para Bolsonaro se manifestar sobre impulsionamento de mensagens

Concluindo suas alegações, ele argumenta ao Supremo que não pode se falar em liberdade de expressão no caso, porque este direito não protegeria incitações a crimes e ameaças à democracia. O advogado também diz que o fato do deputado ser filho do presidente da República e, portanto, gozar da intimidade deste, "o fato assume proporções maiores".

Obrigação de investigar

O decano do STF afirma que apesar de Fernandes não representar a procuradoria, ou seja, não ser o titular do direito de propor ações penais, "o Ministério Público e a Polícia Judiciária, sendo destinatários de comunicações ou de revelações de práticas criminosas, não podem eximir-se de apurar a efetiva ocorrência dos ilícitos penais noticiados".

Celso de Mello prossegue, argumentando que é dever de ofício das autoridades apurar possíveis crimes, mesmo quando eles sejam informados por "qualquer pessoa do povo". O ministro argumenta que há exceções para acusações que sejam manifestadamente abusivas, mas que o fato de o acusado ser pessoa integrante de poder e com mandato eletivo não descarta a necessidade da investigação.

O ministro não dá prazo, mas diz que o procurador-geral da República, Augusto Aras, deve decidir se oferece uma denúncia contra Eduardo Bolsonaro, se pede esclarecimentos ou diligências ou se considera que o caso deva ser arquivado.